Usabilidoido: Menu Principal

English Website


O design do Orkut incentiva ciúmes?

Veja as implicações do design na mediação de relacionamentos.

Mulher sentindo ciúmes

Considere a seguinte situação: você é uma mulher casada e assume isso desde a primeira vez que preencheu seu perfil no Orkut. Como era de se esperar, você indicou que não estava interessada em namoro. Certa vez, espiando o perfil de um amigo, você nota que apareceram botões que você nunca tinha visto:

Menu do perfil de usuário no Orkut

Você clica em "paqueras" pensando que vai ver as pessoas que seu amigo está paquerando. A página simplesmente volta para o mesmo lugar e você imagina que o recurso não está funcionando.

Alguns dias depois, seu marido fica curioso para saber quem está na sua lista de favoritos e descobre que aquele amigo que você estava espiando aparece na lista de paqueras do seu perfil.

Briga feia. Você tenta explicar, mas seu marido só quer saber do divórcio. Quando se acalma, desiste da idéia, mas fica desconfiado.

Agora, além da indisposição com o maridão, você ainda está morrendo de vergonha porque você não sabe se o seu amigo recebeu alguma notificação de que foi adicionado como paquera.

Essa história foi relatada por uma leitora deste blog e demonstra como um detalhe no design de interação de uma aplicação social pode interferir muito na vida das pessoas. Essa situação desconfortável não teria acontecido se:

  • O Orkut avisasse que a partir de um determinado momento, todos os usuários poderiam enviar cantadas e ter listas de paqueras independentemente de terem indicado seu status social ou interesse em namoro no perfil
  • O Orkut explicasse o que ia acontece após o clique no adicionar paquera e exigisse uma confirmação
  • O rótulo do botão "+ paquera" mudasse para "minha paquera" ou "paquerar"

Outro recurso que costuma motivar brigas entre casais são os recados públicos (scraps) deixados por amigos em seu perfil. Basta um recado insinuador de uma amiga para uma namorada ciumenta exigir que o recado seja apagado e a amiga, bloqueada. Alguns são coagidos desde mudar a foto do perfil para uma foto com a namorada até cometer o suicídio virtual: apagar seu perfil e sair do Orkut.

Tudo isso porque não existe uma opção para tornar os recados privados, ou seja, visível apenas para o dono do perfil. Algumas pessoas apagam todos os recados que recebem, mas isso é trabalhoso demais para ser considerado uma opção viável.

Melhor seria se o dono do perfil pudesse escolher entre receber todas as mensagens como privadas e a pessoa que enviasse um recado pudesse também escolher entre recado privado e público.

Em qualquer lugar público onde ocorre interação social, existem lugares privados, nem que seja o camarim do palco, a sombra das árvores, o carro com vidro fumê e por aí vai.

O Orkut não pode ser inteiramente responsabilizado pelas brigas dos casais, mas a interação como está projetada torna os casais que sofrem de insegurança (ciúmes) ainda mais inseguros. O ciúmes já existia antes do Orkut, mas agora ele tem mais motivos para se manifestar.

Comunidade o Orkut me dá crises de ciúmes

No momento, o Orkut pode ser motivo de brigas, mas conforme as pessoas reflitam sobre suas relações, elas podem mudar seu conceito sobre que tipo de situação vale à pena sentir ciúmes ou não. Para quem pensa que vai ser sempre assim, vale lembrar que as roupas que as namoradas usam hoje em dia causaria enorme ciúmes aos namorados da década de 20. O que não é aceitável hoje pode ser perfeitamente aceitável daqui há alguns anos.

Tais exemplos demonstram que o design emocional não pode ser avaliado isolado da situação social.


Dicas

Siga-me no Twitter, Facebook, LinkedIn ou Instagram.

Autor

Frederick van Amstel - Quem? / Contato - 15/09/2006

Palavras-chave

emoção    relacionamento    social    orkut    

Opções



Comentários





Você merece.

Assine nosso conteúdo e receba novidades sem sair de casa!

Atualizado com o Movable Type.

Alguns direitos reservados por Frederick van Amstel.

Apresentação do autor | Consultoria | Portifólio | Política de Privacidade | Contato