Usabilidoido: Menu Principal

English Website


Cognição e personalidade na interação

Se queremos fazer design centrado no usuário, precisamos levar em conta também as diferenças pessoais de cada usuário. Existem padrões que podem nos guiar.

person_main.jpg

Enquanto vocês fazem o perfil semiótico de secundidade, estou estudando muito para bolar o perfil de terceiridade. Um dos artigos mais interessantes dentre os que li nesses dias é este:

A Flexible Interface Design for Web Directories to Accommodate Different Cognitive Styles [PDF] 14 páginas

Que toda pessoa tem suas diferenças, isso é de senso-comum, mas que existem certos padrões de comportamento devido à essas diferenças pessoais, isso é muito pouco estudado no nosso campo de conhecimento.

Predominância pela busca

Um dos poucos que publicou algo sobre isso foi o velho Nielsen, com aquela divisão entre as pessoas que são search-dominants e os link-dominants. Em seus estudos, mais de 50% dos usuários, quando podem, vão direto na caixa de busca para digitar um termo ao invés de procurar em categorias hierarquizadas de links. Alguns anos depois, Jared Spool criticou essa teoria, argumentando que existem sites que induzem ao comportamento search-dominant, pois os pontos de entrada das categorias de links não é abrangente o suficiente e a caixa de busca é proeminente na interface.

Na minha experiência em testes de usabilidade, notei que quando damos uma tarefa de recuperação de informação específica com um enunciado bem preciso, os usuários tendem a ir direto na busca, porque acreditam ser mais fácil encontrar esse tipo de informação. Isso significa que o comportamento search-dominant pode ser devido à própria metodologia de seus testes.

Por exemplo, se desse a vocês a tarefa: "encontre o artigo sobre a predominância de busca no site do Jakob Nielsen", vocês provavelmente iriam direto na busca digitar "search predominance" e talvez encontrassem o artigo no resultado. Se a tarefa fosse: "explique quem é Jakob Nielsen", provavelmente vocês tentariam encontrar a biografia dele dentre os links da primeira página. Como Nielsen ainda acredita em sua teoria, a primeira tarefa seria muito mais fácil de ser realizada...

Dependência de campo

O artigo que citei acima toma o cuidado de se apoiar numa teoria já estabelecida pra estudar dois estilos cognitivos: a dependência e independência de campo. Indivíduos dependentes-de-campo (DC) dão mais atenção ao contexto em que estão inseridos os elementos constituintes de um determinado problema. Para eles, é mais importante uma visão global dos elementos do que uma visão local. Já os indivíduos independente-de-campo (IC) preferem o método analítico para resolver o problema: dividem o problema em partes e resolvem cada uma delas separadamente.

Um estilo cognitivo é uma forma particular como uma determinada mente pensa e processa informações. DC e IC pensam de formas diferentes. Para cada forma de pensar, existem certas características da apresentação da informação que ajudam ou atrapalham o indivíduo a entender a informação. Os autores do artigo analisam como indivíduos DC e IC tem preferências diferentes e conflitantes ao interagir com diretórios de sites.

Segundo o estudo realizado, DCs preferem uma hierarquia rasa, com mais opções em cada categoria, valorizando a visualização do todo. Ao contrário, ICs preferem hierarquias profundas, com poucas opções em cada categoria. DCs preferem resultados ordenados por relevância, ICs preferem a listagem alfabética. DCs preferem a subcategoria no topo, ICs preferem no final da página.

O estudo mediu como a perfomance dos usuários é afetada por essas preferências e, para desespero geral, percepções negativas de fato prejudicam a perfomance do usuário. Isso significa que se não atendermos às preferências de estilo cognitivo do usuário, ele não se sentirá confortável e terá uma experiência ruim. O problema é que as preferências de DCs e ICs parecem irreconciliáveis!

Parecem mas não são. O cerne do artigo é justamente a proposta de um modelo flexível para o diretório, que agrade tanto DCs quanto ICs. Algumas das características da solução proposta não são aplicáveis pois gerariam consequências desagradáveis para a qualidade da interação em ambos os grupos, mas não deixa de ser um exemplo de que é possível conciliar os dois estilos cognitivos. Uma medida interessante, por exemplo, é listar resultados em ordem alfabética e ao lado exibir uma barrinha de relevância, com a possibilidade de esconder tal barrinha.

Depois que li o artigo, fiquei com vontade de quero mais. Gostaria que os autores tivessem passado a solução final por mais uma bateria de testes, para verificar se a proposta de modelo flexível funcionava mesmo, mas quem sabe eles façam isso futuramente.

Minha opinião sobre o assunto é que o conhecimento dos estilos cognitivos é essencial para a bagagem de todo designer de interação e arquiteto da informação. Porém, nem todo projeto precisa ser flexível o suficiente para agradar todos os estilos. Se o público-alvo é formado por engenheiros, por exemplo, provavelmente teremos uma maior porcentagem de ICs.

Existem métodos para testar a predominância dos estilos cognitivos, como por exemplo o Group Embedded Figures Test (GEFT) que mostra ao usuário uma série de problemas desse tipo:

Exemplo de teste EFT

Se você não conseguiu encontrar onde está localizada a primeira figura dentro da segunda figura, é possível que você seja dependente-de-campo. Seria preciso fazer mais testes como esse para dizer com certeza.

O que me incomoda nesse modelo bipolar DC-IC é o meio-termo. Certamente, após um teste GEFT, algumas pessoas vão marcar pontos medianos, ou seja, não serão nem tão dependentes, nem tão independentes assim. Mas então, o que elas são? Como deverão ser tratadas?

É por isso que não me contentei com essa classificação e continuei pesquisando outra série de estilos cognitivos mais abrangente, que também tivesse relevância para a interação.

Visual, auditivo e cinestésico

Um site me lembrou daquela conhecida classificação da neurolinguística:

  • Visual - pessoas que priorizam o sentido da visão
  • Auditivo - pessoas que priorizam o sentido da audição
  • Cinestésico - pessoas que priorizam o sentido táctil, gostam de agir e não conseguem ficar paradas

Essa classificação é tão boa que até hoje não conheço alguém que não se encaixe dentro de uma delas. Se você gosta mais dos diagramas e screenshots que publico aqui, deve ser visual, se ama os podcasts, deve ser auditivo e se acha que o mais interessante é ficar clicando em monte de links ao mesmo tempo, então deve ser cinestésico. Mas e se você gostar dos três?

É por esse motivo, que não considero muito útil essa classificação para o design de interação. Em determinados contextos, uma pessoa auditiva pode precisar dar mais atenção à informação visual, mesmo que não seja sua tendência natural, como, por exemplo, numa prova de geometria. Ou então, uma pessoa visual pode gostar muito de música, mesmo não sendo auditiva.

É interessante conhecer tal classificação, mas não necessariamente projetar para um tipo específico de pessoa. A lição mais interessante dessa classificação é a importância de se utilizar diferentes modos para transmitir a mesma informação. Neste blog, estou aprendendo a fazer isso, criando uma rede interligada de texto, áudio e vídeo.

Estilo cognitivo e personalidade

Encontrei muitas outras teorias de estilos cognitivos e estilos de aprendizado, mas a maioria não parecia ter aplicação prática para o design de interação. Como são teorias desenvolvidas dentro da psicologia, dão ênfase nas diferenças de personalidade entre as pessoas. Apressado que sou, ia descartando essas teoriais pensando que, como designer de interação, não preciso entender a personalidade dos usuários, apenas seu comportamento.

Uma hora caí num post do Dan Saffer comentando como era interessante que o designer transfere sua personalidade para as coisas que projeta (esse cara manteve um blog contando como é o curso de Mestrado em Design de Interação numa Universidade dos Estados Unidos).

Depois, fui parar em outro blog lembrando que o homem tem a mania de antropomorfizar as coisas (tratar como se fosse outro homem) e, por isso, não havia como evitar que o usuário percebesse que um determinado objeto tem uma personalidade própria. O jeito é colocar a melhor personalidade possível dentro do objeto projetado.

Esse artigo realmente mexeu comigo. Se antes estava preocupado com a personalidade do usuário, agora teria que me preocupar também com a personalidade da interface! Mais do que isso, teria que me preocupar se as personalidades combinam entre si.

Design de Interação com personalidade

Se estou viajando na maionese, com certeza não estou sozinho. Pelo menos Dan Saffer, Donald Norman e Clarisse de Souza também acreditam que o melhor design de interação é aquele que conecta pessoas e não máquinas. Para Clarisse de Souza, o designer seria um intérprete que explicaria ao usuário através da interface como ele pode usar aquele sistema.

Concluindo, o estilo cognitivo faz parte da personalidade de uma pessoa e, portanto, se quero entender o comportamento, preciso entender a personalidade. É por isso que ter um psicólogo de plantão numa equipe que projeta produtos interativos é tão recomendado pelos estadunidenses. Porém, minha recomendação é que os designers de interação brasileiros estudem mais psicologia, porque aqui, as empresas não têm recursos para contratar equipes multi-disciplinares; elas querem profissionais multi-disciplinares (o vulgo faz-tudo).

Então, de volta aos estudos...


Dicas

Siga-me no Twitter, Facebook, LinkedIn ou iTunes.

Autor

Frederick van Amstel - Quem? / Contato - 14/08/2005

Palavras-chave

personalidade    cognição    interação    psicologia    

Opções



Comentários

Discussão
---
15/08/05 às 00:07

Posta mais longo do que de costume.. mas o conteúdo continua incrível.. quero ser que nem o Fred quando eu crescer :D


Discussão
Wubigner Mairinque da Silveira
10/07/08 às 00:32

Frederick, tudo bem? Eu entrei no seu site por engano, mas quando comecei a ler seu texto ele me chamou tanto a atenção que me vi obrigado (rs) a lê-lo inteiro.
E diga-se de passagem que achei bem instrutivo.
Mas com o meu comentário quero te chamar atenção para algo que talvez o ajude a solucionar este dilema em que se encontra :
Se você observar a evolução da internet de uns 10 anos para cá, vai observar algumas coisas...
1 - Os sites antigamente não possuiam campos de pesquisa interna, o que hoje em dia é praticamente um campo obrigatório...talvez pela praticidade...mas mesmo que seja por este motivo...isto por si só já demonstra parte do que quero dizer;
2 - Qual é uma das empresas que mais cresceu neste período que mencionei acima? Sim, isto mesmo...a google...e você se lembra como começou...com apenas um campo de pesquisa, e o restante do site em branco. Tudo bem...o crescimento se deve não só à este fato, mas também à inteligência dos criadores da empresa, às oportunidades aproveitadas, etc...e pode ser até ser alegado que as pessoas que entram em um portal de busca, ou realmente precisam efetuar uma busca, ou então são obviamente "search predominant"...mas existiam vários portais de busca...yahoo (com links para finance, business, e-mail, directory, etc...), cadê, metacrawler, webcrawler, etc...e mesmo assim vemos a atual situação destas empresas e da google hoje em dia...e creio que este sucesso não seja atribuído a apenas uma boa estratégia de marketing e negócios.

Bom, estes são dois pontos que abrem margem para muitos outros, mas o comentários já está muito longo...(demais...rs).

Espero que não repare em algum erro gramatical ou de ortografia, pois escrevi rápido...e espero ter ajudado com minha opinião.

Parabéns pelo trabalho,

[]´s

Wubigner Mairinque da Silveira


Discussão
Julio Cesar Martins
18/08/08 às 09:01

Frederick, gostei muito da sua postagem e assim como você também busco novas maneiras para entender como as pessoas aprendem.

Uma abordagem muito boa e na qual estou me aprofundando é a Teoria das Inteligências Múltiplas de Howard Gardner.

Procurando no site de Harvard (search-predominant!!) terá inúmeros artigos no qual podemos ver o porque muitas vezes, dentro da classificação neurolinguística, um visual se interesse tanto por música.

Também pode ter maiores informações no site www.inteligenciasmultiplas.com.br onde, inclusive, tem como realizar um levantamento do seu perfil de inteligências. Existem outros na web, porém, este foi "tropicalizado" podemos dizer assim.

Excelente seu blog e já o incluí em meus favoritos (IC, afinal sou engenheiro!!!!)

[]s

Julio Cesar Martins


Discussão
Glauco
16/11/10 às 15:09

Também achei interessante, e percebi o quanto muitas coisas estão longe da nossa percepção. Continue também falando sobre Cinestésico, auditivo e visual. Abraços!


Discussão
Fabio paiva machado
27/05/11 às 12:24

Odeio o tema design, vim por obrigação, e vc me fez gostar do que li, parabéns.


Discussão
carlos eduardo perez costa
16/09/12 às 12:28

Sou psicólogo e apreciei muito o seu post. No Brasil, são pouco os psicólogos que trabalham ou estudam as relações entre a cognição e o design. Comecei recentemente a estudar a relação entre psicologia evolutiva, principalmente no que esta se refere a psicopatologia do transtorno obsessivo-compulsivo (TOC, doença caracterizada por forte ansiedade e, em alguns casos, necessidade de ordem, simetria e verificação) e design na natureza, como explicado pela teoria conhecida com Law Constructal, mas encontrei pouca coisa. Você poderia me dar umas dicas ?




Comente.






(aguarde que é demorado mesmo...)


Você merece.

Assine nosso conteúdo e receba novidades sem sair de casa!

Atualizado com o Movable Type.

Alguns direitos reservados por Frederick van Amstel.

Apresentação do autor | Consultoria | Portifólio | Política de Privacidade | Contato