Usabilidoido: Menu Principal

English Website


Níveis de formalidade na interação

Encontrando oportunidades de inovação.

Etiquette

Uma questão pouco discutida no design de interação é o nível de formalidade. Uma atividade pode ser mais ou menos formal, dependendo da aderência a regras e a outros tipos de estruturas. É possível codificar essas estruturas na tecnologia, porém, as pessoas nem sempre as seguem.

Portanto, vou discutir os níveis de formalidade na atividade social não os níveis de formalidade dos sistemas. É importante fazer essa distinção, pois muita gente acredita que por formalizar o sistema formaliza-se também a interação entre as pessoas.

Esse raciocínio é análogo a acreditar que um homem se torna sério somente por vestir um terno. Exemplo de que isso não é sempre verdade é a presença do Tiririca no Congresso Nacional.

Tiririca posse

Formal significa que a interação tem uma forma definida: uma maneira, um protocolo, uma etiqueta, uma regra, um contrato. Interessante notar que a forma no design de interação não é a mesma que no design de produto (volume) ou que no design gráfico (imagem). A forma no design de interação tem a ver com o movimento, tal como na dança.

De maneira geral, eu identifico quatro níveis de formalidade na interação:

Informal. Não existem regras definidas para a interação ou, se existem, as pessoas fazem questão de não seguí-las. A interação é espontânea e as pessoas não se preocupam se estão fazendo algo certo ou errado. Exemplo: papo de bar.

Semi-formal. Existe um protocolo para a interação, mas as pessoas seguem apenas uma parte. Somente as regras consideradas fundamentais são seguidas em vista de um objetivo a ser atingido. Exemplo: reunião de negócios.

Formal. O cumprimento do protocolo é o motivo mesmo da interação. Regras quebradas são consideradas gafes, negligências ou rebeldias. Exemplo: cerimônia de posse.

Automático. Uma interação formal que se repete muito pode ser operada no modo "piloto automático", ou seja, as pessoas executam o protocolo sem prestar muita atenção. Nesse nível de formalidade a interação perde uma motivação própria; ela torna-se um meio (inevitável) para outra interação mais importante. Exemplo: pagar o caixa do supermercado.

Formalidade nas relações amorosas

Os níveis acima são genéricos, úteis apenas para compreender o assunto. Na prática, cada tipo de interação desenvolve os seus próprios níveis de formalidade.

Tomemos como exemplo, a atividade de troca amorosa (ou reprodução sexual) entre pessoas. Em nossa cultura atual, podemos dizer que existem seis níveis de formalidade para essa atividade, em ordem crescente:

  1. Paquera
  2. Ficada
  3. Namoro
  4. Noivado
  5. Casamento
  6. Divórcio

O divórcio acontece quando a relação amorosa entra no "piloto automático" e os amantes perdem a motivação para estar juntos. Antes de formalizar o divórcio, é possível que o casamento seja mantido apenas nas aparências.

Para cada nível de formalidade, existem ferramentas para aumentar ou diminuir o nível de formalidade. O telefone, por exemplo, ajuda a ir da paquera para a ficada, assim como o Whatsapp ajuda a ir do casamento ao divórcio. Essas são ferramentas genéricas, mas existem também ferramentas específicas para cada nível de formalidade.

Aplicativos: da paquera ao divórcio

O Tinder é o aplicativo de paqueras mais popular hoje em dia. A pessoa recebe uma série de fotos de outras pessoas na mesma localidade e passa o dedo por cima rapidamente, indicando se quer ou não conhecer a pessoa. Se a ação for recíproca, o Tinder libera o bate-papo entre as duas.

Best tinder pickup lines img 1

Para gerir as ficadas, as mulheres tem à sua disposição o aplicativo Lulu, que permite dar uma nota aos homens com quem elas tiveram a oportunidade de ficar. Quando foi lançado era possível dar uma nota a todos os homens cadastrados no Facebook. Hoje só é possível avaliar os homens que se cadastram voluntariamente no serviço.

App lulu avaliacoes 1

Para quem não tem namorada (ou namorado) e acredita que ajuda ter uma para estimular a competição, existe um serviço de namorada virtual, o Namoro Fake. Uma usuária do Facebook é contratada para postar mensagens no mural do felizardo, chamando a atenção dos contatos.

Quem entra no noivado já começa a se preocupar como organizar a festa de casamento, como preparar a casa para morar junto, lua-de-mel e outros tantos detalhes importantes. Para ajudar a administrar as informações, existe o aplicativo Fábrica de Casamento.

Fabrica de casamento

Depois de alguns anos de casado, é comum que a vida sexual caia no tédio. Para evitar isso, o aplicativo 69 Places sugere locais e eventos inusitados em que o casal pode ter uma transa. Depois que o fato é consumado, o casal marca o local na lista.

69Places

E, por fim, aplicativos para divórcio não existem muitos, mas encontrei um aplicativo de iOS que ajuda a fazer todos os cálculos relativos ao divórcio de acordo com a lei do estado de Massachusets nos EUA. Parece ser bem útil e, como se esperava, extremamente formal.

Massachusets divorce app

Formalização e informalização

O design de interação pode contribuir para a formalização ou informalização das atividades sociais, dependendo das tendências culturais. Se as pessoas querem relacionamentos ainda menos comprometidos do que a paquera, pode-se oferecer algo ainda mais radical que o Tinder; já se as pessoas estão querendo organizar melhor seu casamento, é possível oferecer algo mais útil do que o 69 Places.

Uma oportunidade ainda não explorada na atividade de romance é a transição de um nível de formalidade a outro. O Facebook, de uma certa maneira, faz isso quando permite anunciar uma mudança no estatus social, porém, não há grandes mudanças depois disso.

Zuckerberg casou

Um recurso que eu considero útil num design centrado na atividade é a informalização de uma atividade existente. Uma atividade informal pode ser transformada muito mais facilmente do que uma atividade formal, pois há menos regras e protocolos a seguir.

Mesmo que o objetivo seja entregar um aplicativo para atividades formais, vale à pena durante a fase de projeto elaborar um protótipo em que a interação seja informal de modo a explorar possibilidades que outros aplicativos não exploram.

Um método útil para isso é o cenário lúdico, utilizado no jogo de realidade aumentada Um Robô sem Sentimentos dos meus ex-alunos Rodrigo Gonzatto e Edmarlom Semprebom. Eles simularam o robô utilizando Skype para a síntese de voz e um quadro branco. Simples e informal, mas suficiente para investigar as questões do jogo. Numa próxima fase de desenvolvimento, eles poderiam ter elevado o nível de formalidade utilizando um protótipo em Lego Mindstorms, por exemplo.

Robo sem sentimentos

Dicas

Siga-me no Twitter, Facebook, LinkedIn ou iTunes.

Autor

Frederick van Amstel - Quem? / Contato - 28/04/2015

Palavras-chave

formalidade    interação    ritual    

Opções



Comentários



Comente.






(aguarde que é demorado mesmo...)

Pegue um fruto.


Você merece.

Assine nosso conteúdo e receba novidades sem sair de casa!

Atualizado com o Movable Type.

Alguns direitos reservados por Frederick van Amstel.

Apresentação do autor | Consultoria | Portifólio | Política de Privacidade | Contato