Usabilidoido: Menu Principal

English Website


O jogo de esconder e mostrar do Facebook

Entenda como funciona o algoritmo da linha do tempo.

Facebook polarizacao

Durante o laboratório vivo no FISL16, realizamos um experimento sobre como o Facebook distribui atualizações de status pela rede social. Muitas pessoas não sabem que seu hábito de gostar ou não gostar de atualizações de outros amigos define o que será mostrado na linha do tempo. A linha do tempo é o espaço preponderante no Facebook e transmite a impressão de ser pública, porém, isso é uma ilusão. O objetivo do experimento era desfazer essa ilusão e promover um debate sobre o quanto estaríamos delegando a política brasileira para uma empresa privada.

Segundo pesquisa realizada pelo Instituto Máquina, o Facebook é o canal mais utilizado pelos parlamentares brasileiros para interagir com seus eleitores.

Graficos habitos 08

Os parlamentares querem estar no Facebook porque os brasileiros discutem política neste espaço como nunca fizeram antes. Em 2013, o termo "manifestação" acabou sendo mais mencionado do que "carnaval" na rede Facebook (!).

Apesar de potencializar mobilizações, o Facebook não substitui as ruas porque não é um espaço público. Mesmo que uma pessoa escolha que uma atualização seja pública, ela não será mostrada a todos os usuários da rede. Isso se deve ao algoritmo Edgerank. Quanto maior for a interação entre duas pessoas, maior a chance da atualização de ser mostrada na linha do tempo da outra. Além disso, quanto mais as pessoas interagirem com essa atualização, mais ela será replicada. Os valores exatos não estão disponíveis para consulta e podemos apenas conjeturar sobre seu funcionamento.

Formula edgerank

Para ver como o algoritmo impacta na mobilização política, vejamos a recente campanha promovida pelo próprio Facebook para celebrar o orgulho LGBT. Poucas horas depois da aprovação do casamento de pessoas de mesmo sexo nos EUA, milhões de pessoas já estavam usando uma camada colorida sobre sua foto de perfil. Como é possível que essa camada tenha se alastrado tão rapidamente?

Celebrate pride facebook

A explicação é que o peso atribuído à alteração de foto de perfil é o maior dentre as interações possíveis no Facebook. Com a ajuda dos likes e comentários dados pelos amigos, a chance da foto colorida aparecer na linha do tempo dos amigos aumenta muito. Se vários de seus amigos adotaram a camada colorida, você teve a impressão (errônea) de que a grande maioria das pessoas apoiavam o movimento LGBT. Segundo o próprio Facebook, apenas 1,8% de todos os usuários da rede adotaram a camada colorida.

O ativista Eli Parisier deu uma palestra muito interessante na TED explicando que o algoritmo do Facebook cria bolhas sociais, compostas de pessoas que gostam das mesmas coisas. Isso se intensifica quando os usuários deliberadamente terminam a amizade ou escondem as atualizações de outras pessoas. Conscientemente ou não, as pessoas vão construindo a sensação ilusória de que o mundo ao seu redor é composto de pessoas com o mesmo ponto de vista.

Filter bubble

Algumas pessoas especulam que o Facebook usou a campanha do orgulho LGBT como mais um experimento de comportamento massivo, justamente para compreender como se dá a formação dessas bolhas sociais.

Nós partimos da mesma curiosidade para organizar o experimento no laboratório vivo do FISL, porém, ao contrário do Facebook, nós deixamos claro que se tratava de um experimento. Além disso, nos comprometemos a divulgar os resultados e a liberar as instruções para replicar o experimento.

O experimento consiste em participar de um jogo que simula de maneira simplificada o funcionamento do algoritmo do Facebook. Ao final do jogo, os participantes podem perceber e discutir os efeitos desse algoritmo sobre a mobilização política.

Abaixo segue um protótipo do jogo feito antes da realização no FISL.

No jogo real, os bonecos são pessoas e o jogo adquire uma dimensão performática. É um jogo fácil e divertido de jogar, mas que também provoca uma discussão muito séria a respeito da maneira como se relacionamos com nossos amigos e a sociedade.

Jogo facebook fisl

Instruções

O jogo pode ser realizado com no mínimo 5 e no máximo 100 pessoas. O tempo de duração pode ser de 15 a 45 minutos. Antes de começar, é preciso preparar algumas coisas:

  • Cada pessoa recebe
    • Um pregador de roupas para colocar na lapela da camisa
    • Uma cartela com 21 adesivos de likes
    • Bloco com post-its para escrever atualizações de status
    • Alguns fios de lã para conectar seus amigos
  • Os jogadores se posicionam num espaço aberto, a meio metro de distância de seus amigos. Eles podem ficar sentados ou em pé
  • Cada jogador deve adicionar seus amigos prévios com fios de lã que partem do seu pregador de roupa para o do amigo
  • Todos os jogadores devem fazer pelo menos um amigo
  • Anuncia-se um tema que está em voga nas redes sociais no momento. Todas as atualizações de status devem seguir esse tema

O objetivo do jogo é ficar com melhor saldo de likes (os likes recebidos nas suas atualizações menos os likes restantes em sua cartela). As regras podem ser resumidas nos seguintes pontos:

  • Os jogadores escrevem atualizações e enviam para um de seus amigos conectados
  • O amigo recebe a atualização e decide se gosta ou se devolve para o autor
  • Quando o autor recebe de volta a atualização, guarda no bolso e não pode mais repassar aos amigos
  • Se o amigo gostar da atualização, ele deve retirar um adesivo de like de sua cartela e colar na atualização, repassando em seguida a outro amigo
  • Os jogadores podem andar e conectar-se a outros jogadores, porém, é possível que os fios se desconectem pelo movimento. Nesse caso, os jogadores perdem a amizade de maneira tácita (eles ignoram as atualizações do outro)
  • Os jogadores podem remover explicitamente uma conexão de amizade caso as interações não sejam de seu agrado
  • No final do jogo ganha quem tiver o melhor saldo de likes

Após o fim do jogo é possível discutir o papel do algoritmo do Facebook na mediação no debate político. Os jogadores podem propor mudanças nas regras do jogo e recomeçar o jogo para ver se um outro algoritmo seria desejável.

Resultados

O tema escolhido para o experimento no FISL foi a proposta de redução da maioridade penal de 18 para 16 anos, uma emenda que tramita no Congresso Nacional. Abaixo segue uma tabela com a transcrição dos post-its coletados e o número de likes que eles receberam.

Atualização de status Likes
Apoiado, mas a educação deve melhorar em vários sentidos 13
A maioridade deveria ser aprovada junto com um pacote de melhorias na educação 10
Maioridade penal é dar responsabilidades aos atos desde cedo 10
+Educação - Prisão 9
#EuApoio? Maioridade penal reduzida, com 16 já está "grande" o suficiente para responder por seus atos. 9
A maioridade penal, por si só, não resolverá o problema da violência 8
Sem educação a redução da maioridade não resolverá muita coisa 6
Educação = pessoas mais civilizadas 6
A redução da maioridade penal é uma artemanha de um governo que não sabe propor solução, apenas contornar problemas 5
+Escolas - Prisões 4
Com a redução da maioridade as pessoas podem ter mais responsabilidades 3
Sofrimento não é solução. Redução não é redenção. 2
UNE, USS, PSD, RUA, Juntos e diversas entidades estudantis foram contra a maioridade. Cunha é golpista. 2
Descriminalização das drogas 2
Só a redução da maioridade não vai reduzir muito crimes realizados por adolescentes 2
Acho válido, mas sozinha, a redução não pode resolver o problema 2
Quem não tem opinião formada, curte aê =D 1
Por que maiores de 16 anos podem eleger seus governantes e não serem condenados? 1
Maioridade penal é um crime para a sociedade menos favorecida #FORACUNHA 1
Sexta tem protesto unificado da Juventude Contra a Maioridade! 1
Queremos mais escolas e mais educação #Nredução 1
Se todos tivessem oportunidade ninguém roubaria 1
PMDB, PSDB e Cunha são o retrocesso 1
Maioridades devem ser proporcionais às responsabilidades 1
Laboratórios no sistema de socialização 1
Fora Cunha 1
Política pública para cultura da PAZ 1
Menos mortes na periferia 1
Mais participação social 1
Revolução na educação 1
A redução da maioridade é boa, contudo pode aumentar o trabalho forçado infantil 1
A maioridade poderia ser melhor estudada, pois ela só não resolve nada 1
Todos precisam de escolas e não de PRISÕES #ForaCunha 0
Não à redução! 0
Fora Cunha 0
Desmilitarização da polícia 0
Melhorar mecanismos do ECA 0
Fim do sistema penal 0
Fim das doações de campanha 0
A redução da maioridade pode ajudar na melhoria da educação 0
As penas também devem ser refeitas 0
Educar as pessoas a educar seus políticos para que não seja preciso punir as crianças 0

Discussão

Os participantes do experimento disseram o seguinte após o experimento:

  • As atualizações que receberam mais likes não passaram por todos os participantes.
  • Mesmo que o participante devolvesse uma atualização popular por não gostar dela, era muito difícil levar de volta ao seu autor e parar a distribuição, pois as pessoas esqueciam quem havia lhes dado. Essas mensagens acabavam circulando indefinidamente na rede. Tal fenômeno foi considerado análogo à viralização.
  • Os participantes formaram grupos que gostavam uns das atualizações dos outros.
  • Os participantes que gostaram mais das atualizações dos outros (gastanto sua cartela de likes) foram também os que receberam mais likes em suas próprias atualizações.

Além de conscientizar os participantes da maneira como o Facebook une e separa as pessoas, o experimento demonstrou que certos pontos de vista são marginalizados pelo algoritmo e que as mensagens mais populares não são necessariamente unânimes.

A minha reflexão pessoal sobre o experimento é que precisamos se apropriar de outros espaços para discutir política, pois o espaço do Facebook dificulta o confrontamento com opiniões divergentes, o que é uma precondição para o debate genuíno. As pessoas acabam ficando cada vez mais radicais dentro de suas bolhas, trocando apenas mensagens com aqueles que tem posições políticas similares. Isso também acontece no Twitter, como deixa muito claro as visualizações de grafos da FGV.

Maioridade penal fgv

Como cidadão, eu tento evitar de ficar preso dentro da bolha pela minha política pessoal de não remover nem esconder alguém só porque a atualização é ofensiva, reacionária, golpista, homofóbica, ou qualquer outra qualidade que eu não gosto. Gostaria de ter uma pluralidade de opiniões para saber o que os outros estão dizendo e até mesmo preparar minha contra-argumentação. Porém, sei que minha decisão de não gostar dos argumentos opostos aos meus para evitar que eles viralizem já me coloca dentro de uma bolha. No Facebook, não é possível escapar disso.

Reitero o convite aos designers de interação para mediar este cenário de polarização política instaurado por um algoritmo que a nossa própria classe ajudou a criar. Um caminho possível é 1) hackear os algoritmos pela recriação deles em público e 2) criar outros algoritmos e outras redes sociais que não induzam à formação de bolhas.


Dicas

Siga-me no Twitter, Facebook, LinkedIn ou iTunes.

Autor

Frederick van Amstel - Quem? / Contato - 14/07/2015

Palavras-chave

redes    sociais    visibilidade    viralização    jogo    política    

Opções



Comentários

Discussão
Pedro Lenhard
14/07/15 às 16:34

O grafo da imagem foi produzido pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da FGV. http://dapp.fgv.br/


Discussão
Fred van Amstel
14/07/15 às 19:39

Obrigado pela correção Pedro! Já atualizei o post. Fiz confusão enquanto olhava as visualizações do www.labic.net

Parabéns pelo trabalho. Já está nas minhas referências.


Discussão
Mauricio
14/07/15 às 21:30

Por favor, corrijam os erros de português.


Discussão
R Fabbri
16/07/15 às 19:10

Vou deixar este artigo aqui de referência,
pq quero ler em breve ambos:
http://www.pnas.org/content/112/4/1036.full.pdf
muito legal.


Discussão
Fred van Amstel
16/07/15 às 20:20

Obrigado pela referência, Fabbri. Esse estudo tem duas falácias, a meu ver:

1. O uso de questionários e escalas para medir personalidade foi questionado severamente pela Psicologia contemporânea, especialmente, quando se considera que a personalidade não é algo fixo mas em desenvolvimento.

2. As predições feitas pelo computador ainda assim eram baseadas em input humano (likes) e por isso não podem ser usadas para sugerir que o computador pode sozinho reconhecer a personalidade com maior acurácia que um ser humano. Eu diria que, nesse caso, quem acertou foi o coletivo de pessoas que votaram nos likes assistidos pela mediação computacional (lembra o fenômeno "sabedoria das multidões").

Porém, fico na dúvida que tipo de coletivo anônimo é esse que não pode nem se fazer consciente de seu poder e capacidade de ação.




Comente.






(aguarde que é demorado mesmo...)


Você merece.

Assine nosso conteúdo e receba novidades sem sair de casa!

Atualizado com o Movable Type.

Alguns direitos reservados por Frederick van Amstel.

Apresentação do autor | Consultoria | Portifólio | Política de Privacidade | Contato