Usabilidoido: Menu Principal

English Website


Laboratório vivo e inovação social no FISL

Veja como o governo está usando essa metodologia para inovar.

Lab vivo fisl2

Laboratório vivo é uma metodologia de inovação social que desloca o investimento em infraestrutura de pesquisa para fora da organização. Em contraste com os laboratórios de alta tecnologia que ficam protegidos a sete chaves dentro das empresas, o laboratório vivo é um espaço aberto ao público. O objetivo é aproveitar a participação para gerar inovações sociais.

Tive contato com essa metodologia na Europa, onde a inovação social é uma política pública. No curso que ajudei a ministrar junto com o professor Pelle Ehn, a gente estudou vários laboratórios vivos e criamos a semente para um novo laboratório na Universidade de Twente, como parte do DesignLab.

O laboratório vivo é chamado de vivo porque é composto primariamente de pessoas. As tecnologias aparecem em segundo plano, já que o objetivo é gerar inovação social. Esse tipo de inovação difere-se da inovação tecnológica pelo foco na transformação de relações, sentimentos, costumes, rituais e modelos de negócios.

No Brasil, já existem vários laboratórios vivos. A pesquisa de doutorado de Silvio Bitencourt da Silva identificou os laboratórios vivos brasileiros e ressaltou a criatividade na orquestração de recursos. Essa pesquisa incluiu também a Plataforma Corais, que eu já desenvolvo desde 2011.

Em 2015, tive a oportunidade de participar da fundação do Laboratório de Tecnologias para a Participação Social na Secretaria Geral da Presidência da República. A visão do laboratório foi construída com a participação de membros da sociedade civil como eu, empreendedores, professores universitários e servidores públicos.

Mapa conceitual lab participacao

A visão do laboratório é baseada no conceito de permeabilidade, ou seja, que os cidadãos possam penetrar nessa estrutura governamental e interferir nas suas atividades.

Em vista do interesse do laboratório de participar do 16º Fórum Internacional de Software Livre (FISL), propus adotar a metodologia de laboratório vivo durante o evento para experimentar esse conceito de permeabilidade. Planejamos o laboratório vivo à distância, eu, Ricardo Poppi, Henrique Parra e Leonardo Aragão.

Planejando experimentos

O convite à participação no laboratório vivo foi publicado no Participa.br, o portal de participação do governo federal. A proposta era realizar cinco experimentos sobre participação dentro dos stands do Ministério da Cultura e do Ministério das Comunicações. Os participantes do FISL poderiam entrar no laboratório vivo e participar dos experimentos, seja como participante ativo ou observador. O objetivo desses experimentos era divulgar e avaliar as tecnologias existentes de participação social, bem como gerar ideias para novas tecnologias.

No contexto da comunidade de software livre, o laboratório queria também colocar em evidência a importância da abertura do processo (design) além da abertura do produto (código-fonte). Essa intenção se consubstanciou no conceito meta-participação, ou seja, participação na definição da maneira como se dará a participação.

Caixa preta design

Os conceitos de permeabilidade e de meta-participação nos levaram a planejar experimentos que ajudassem os participantes a entender os algoritmos das tecnologias de participação mesmo que eles não conhecessem as linguagens de programação. Para isso, decidimos simplificar a tecnologia mesmo que preservando a dinâmica de interação.

Um dos experimentos, por exemplo, simplificou o pairwise, um sistema adotado na consulta pública sobre a Estratégia de Governança Digital (aberta até 17/07/2015). Nese sistema, as propostas são mostradas aleatoriamente duas a duas e o cidadão deve escolher uma que lhe agrade. Quando a proposta é escolhida, ela ganha um ponto de vitória e quando não é escolhida, ganha um ponto de derrota. Traduzimos essa interação com post-its retirados de uma caixa que era sacudida com frequência. Os votos eram anotados na parte de trás do post-it. Os resultados foram publicados num mural baseado no esquema de pontuação.

Pairwise digital analogico

As principais inovações sociais que surgiram à partir dos experimentos no FISL foram:

  • Uma maneira simples de explicar como os sistemas de participação funcionam
  • Implementação prática dos conceitos de permeabilidade e meta-participação
  • Um modelo de engajamento democrático complementar às plenárias, focado na cocriação e teste de protótipos de tecnologias e políticas públicas
  • Um modelo de edição de textos normativos com controle de versão distribuído (A Constituição no GIT)

Além destas inovações, o laboratório vivo criou uma ponte entre os Ministérios da Cultura e das Comunicações, que ficaram interessados em realizar outros laboratórios vivos sobre inclusão digital e cultura digital. A apropriação criativa dos estandes do governo criou até uma ponte física, o varal em que exibimos as visualizações de rede do Labic. Essa aparência descolada quebrou todas as expectativas dos participantes em relação à apresentação das ações do governo.

Ponte entre ministerios

Com essa ação, a Secretaria Geral da Presidência da República, disseminou o pensamento projetual como uma proposta para enriquecer a participação social e a gestão pública participativa. Espero que o governo cultive outros laboratórios vivos. A semente está plantada!


Dicas

Siga-me no Twitter, Facebook, LinkedIn ou iTunes.

Autor

Frederick van Amstel - Quem? / Contato - 13/07/2015

Palavras-chave

inovação    social    participação    livre    

Opções



Comentários



Comente.






(aguarde que é demorado mesmo...)

Pegue um fruto.


Você merece.

Assine nosso conteúdo e receba novidades sem sair de casa!

Atualizado com o Movable Type.

Alguns direitos reservados por Frederick van Amstel.

Apresentação do autor | Consultoria | Portifólio | Política de Privacidade | Contato