Usabilidoido: Menu Principal

English Website


Lidando com os interessados no projeto

Lidando com os interessados no projeto

Quando se desenvolvem projetos de interesse público ou projetos em grandes organizações, uma questão essencial é como lidar com os múltiplos interessados (stakeholders) de um projeto. Cada um quer uma coisa diferente, mas alguns tem mais poder do que outros para fazer valer a sua vontade.

A estratégia mais comum é buscar apoio de algum executivo no topo da hierarquia. O projeto é imposto de cima para baixo, aproveitando a reputação e poder que o executivo dispõe.

Isso nem sempre é possível, entretanto. Quando o projeto envolve várias organizações, não existe uma hierarquia clara entre os seus representantes. Além disso, é preciso contar com a colaboração espontânea dos demais interessados para que o projeto dê certo, o que fica comprometido com imposições de cima para baixo.

Hierarchy bird tree

A maneira mais sensível de lidar com os interessados é envolvê-los diretamente no projeto. Organizam-se reuniões com os interessados para discutir o delineamento do projeto. O objetivo é chegar a um consenso, ou seja, um mínimo denominador comum com que todos concordem.

Essas reuniões apresentam vários desafios:

  • Se uma pessoa não é convidada para a reunião, ela se sente excluída e pode emperrar o projeto depois
  • As falas costumam ser longas e vagas
  • Nem sempre é possível chegar ao consenso na primeira reunião
  • Essas reuniões não costumam ter resultados concretos (decisões, planos ou estratégias)

Alguns gestores acreditam que esses desafios podem ser superados com uma boa dose de carisma e liderança da sua parte. Eu não acredito nisso. Já presenciei casos em que pessoas concordaram com líderes carismáticos durante uma reunião e depois fizeram algo completamente diferente. Isso porque elas não concordavam realmente com o que era dito, mas se sentiram pressionadas a concordar.

Mais importante do que liderança e carisma é a capacidade de mediação. Mediar uma reunião significa garantir que todos tenham a oportunidade de se expressar e de ouvir, mesmo que sejam introvertidos ou tenham menos interesse no projeto. Existem várias técnicas que podem ser usadas nesse tipo de mediação: o bastão falante, roda de conselheiros, lego serious play, brainstorming com post-its e etc.

Um técnica que eu valorizo bastante nesse tipo de reunião é a co-criação com materiais físicos. O material introduz uma estrutura menos rígida para a colaboração, suficiente para que hajam resultados tangíveis. O objeto é construído pelos interessados no projeto e, dessa forma, representa o que eles tem de comum. Ele serve como um marco no projeto e é usado como referência posteriormente.

Como exemplo, é possível fazer um mapa dos interessados. Numa oficina que mediei na Holanda, os participantes criaram um mapa que tem o projeto no centro e os interessados ao redor, em círculos concêntricos representando o grau de interesse. Cada interessado é um monstrinho e seu comprometimento é expresso em moedas que ele está disposto a investir. Também existe um círculo ao redor de cada interessado representando sua influência sobre os demais interessados.

Stakeholder mapping

Esse tipo de exercício é bem interessante para descobrir interessados que ainda não foram incluídos no projeto, mas que serão essenciais para o seu sucesso.

Mapear os interessados é só o começo. Em seguida, é preciso pensar como envolver produtivamente todos os interessados. Alguns deles terão a intenção de participar ativamente do design em oficinas participativas, outros estarão mais preocupados com a legislação e finanças. O importante é que os meios de participação sejam transparentes e não deêm a impressão de que o projeto está se fechando numa panelinha.

Lidar com interessados é um trabalho político e pode custar a reputação do mediador caso ele tome um dos lados. Os interessados podem recusar participar do projeto se acharem que o mediador está manipulando opiniões. Por isso, recomenda-se que esse mediador seja independente, ou seja, não esteja vinculado a nenhuma das instituições interessadas.


Dicas

Siga-me no Twitter, Facebook, LinkedIn ou Instagram.

Autor

Frederick van Amstel - Quem? / Contato - 06/05/2015

Palavras-chave

stakeholder   política   participação   

Opções



Comentários

Discussão
Fernando Galdino
13/05/15 às 15:17

Tem um método nessa linha chamado 'claystation'. Foi usado nas consultas à população para o legado da olimpíada de Londres. Basicamente usando mapa e esculturas de massinha branca representando as ideias das pessoas sobre o que queriam nos espaços.


Discussão
Fred van Amstel
18/05/15 às 11:35

Achei interessante Galdino, mas não consegui encontrar. Tem um link sobre?




Comente.





(aguarde que é demorado mesmo...)




Você merece.

Assine nosso conteúdo e receba novidades sem sair de casa!

Atualizado com o Movable Type.

Alguns direitos reservados por Frederick van Amstel.

Apresentação do autor | Consultoria | Portifólio | Política de Privacidade | Contato