Usabilidoido: Menu Principal

English Website


Animar a logomarca é chato

Uma coisa que meus clientes pedem muito é de incluir uma animação instituindo sua logomarca no website, tal qual as assinaturas de comerciais de televisão. O que isso interessa ao cliente desse cliente? Se fosse só um detalhe animado, tudo bem, mas eles pedem muito mais do que isso.

Como grande parte das logomarcas são abstrações, fica muito difícil criar uma animação que remeta para algo real. O pior é que o designer está restrito a remeter a algo que tenha a ver com o negócio do cliente. No final, quase sempre a animação fica pobre em conteúdo, não passa de um punhado de efeitos.

À excessão de algumas empresas pontocom, as logomarcas são projetadas para serem estáticas. Animá-las é extrapolar suas capacidades. A animação pode ainda tirar a sobriedade da logomarca e banalizá-la. Para ser respeitada pelos consumidores, uma marca precisa parecer grande, precisa estabelecer uma relação paternalista com o consumidor. Como respeitar algo que se despedaça e dança na minha tela?

Mas como disse, apoio o detalhe animado. Animação simples que mantenha a integridade da logomarca pode reforçar a sua mensagem. Por exemplo, uma logomarca de produtos de limpeza pode ter pontos de brilho que aparecem suavemente nas suas bordas. Uma de refrigerantes pode ser "enchida" com líquido, funcionando como efeito de transição numa animação maior. A regra é não atrair muito a atenção para essa animação, porque pode parecer pedantismo para o usuário.

A justificativa do cliente para pedir essas coisas é que ele quer que a marca seja lembrada. Claro, ver a sua logomarca gigante e animada no website também é uma boa massageada no ego. Mas ele precisa entender que o usuário do website pode não ter esse relacionamento íntimo que ele tem com a marca em questão. O designer tem que saber explicar as desvantagens dessa prática e tentar convencê-lo a se conter.

A logomarca não vai ser bem lembrada porque ela foi apresentada em destaque no website. Ela vai ser bem lembrada se o website for útil ao usuário. Do contrário, o tiro sai pela culatra.

Livros recomendados

Teoria Geral dos Signos: como as Linguagens Significam as Coisas

Dicas

Siga-me no Twitter.

Autor

Frederick van Amstel - Quem? / Contato - 16/01/2004

Palavras-chave

logomarca    animação    logo    publicidade    branding    xbox    

Opções



Comentários

Discussão
Caco
16/01/04 às 03:53

É isso aí. Este post me lembra muito um comercial da IBM de uns 6 anos atrás, em que o sujeito fala algo como "olha só, o logo animado no canto, beeeem legal".

A animação é um recurso pra lá de banalizado e vulgarizado pelos aventureiros do flash e do gifzim animado da Internet. Sem critério para o uso, era moda. Com o tempo as pessoas foram pegando nojo, mesmo sem se dar conta. Animação inconsistente = ruido.

E ruido cansa...


Discussão
Carolina
17/01/04 às 08:26

Muito bom Fred. Seria bom se todos os designers se "educassem" em "educar" o cliente, ou seja, apresentar argumentos para que o investimento do cliente seja util e não apenas fazer tudo o que ele quer. Sei que está meio fora do assunto que você escreveu, mas quero comentar sobre esse site da Marba. Está Fantastico em termos de efeitos e impacto visual mas nem de longe lembra um site de Frigorifico. Quando dei uma primeira olhada pensei q a empresa tivesse comprado um template. Acho que está faltando um pouco de pesquisa e marketing, afinal, Design não basta ser bonito, tem que apresentar solução.


Discussão
::Wizard
20/01/04 às 02:46

Concordo e discordo Fred.
Uma animação de logomarca pode ficar bem interessante, depende de quem realiza e de quem idealiza também.
Em muitos casos o cliente "acha" que entende de usabilidade e design, e "MANDA" fazer o que ele quer.
Em alguns casos a usabilidade não é aplicada graças ao gosto ou desgosto do cliente.
Neste mercado somos influenciados pelo gosto do cliente ainda, e infelizmente o cliente manda e aprova o que ele quer.
Fazer ou não fazer, é uma questão de grana, se vc agrada o cliente, ganha o seu "verde$$$" se não cumpre ou agrada o cara, corre o risco de perder o trabalho e ser até ofendido, eu mesmo jah passei por situações assim aqui na Agência com clientes deste naipe!
É tudo uma questão de quem manda na parada.. de quem é o diretor e gerente do projeto.
Vai de gosto do camarada, ou da empresa toda.
Em muitos casos o conhecimento de usabilidade e design se perde na opinião do cliente.. e a culpada de tudo sempre é a agência que desenvolveu o projeto.
Welcome to the real world como diz um amigo! Essa infelizmente é a realidade.

Abraço e obrigado pela referência ao site do meu cliente.


Discussão
Frederick van Amstel
20/01/04 às 03:08

É Wiz, essa situação é realmente delicada. O designer precisa discutir com muito empenho, mas tem um momento em que ele precisa saber desistir. Agora o tempo que leva para desistir é proporcional ao quanto ele acredita no que está dizendo.

E não são só os pequenos que sofrem com esses problemas. Soube de um caso numa agência publicitária grande daqui de Curitiba que rejeitou o cliente Coscarque (aquele treco pra emagrecer) porque o cliente só queria saber de mulher pelada nos outdoors e não deixava a equipe criativa inventar outras abordagens que poderiam ser mais eficientes. Tudo depende do posicionamento da empresa. Algumas cedem, outras não.

Vale lembrar que nem todos os clientes são assim e que se o designer argumenta com fundamentação e convicção, ele quase sempre vence. Isso é algo que não é muito praticado infelizmente por aí, mas que luto para que seja porque melhora muito a imagem geral que esses clientes tem da gente: desenhistas micreiros.


Discussão
Carolina
20/01/04 às 08:50

Ai Fred, N interprete mal quando disse "template" : (. Não quis dizer que não estava bem feito nem foi copiado. : D deixa eu parar por aqui pq merda quando mais se mexe, mais fede.. Abraços.. ;-)


Discussão
Carolina Antunes
22/01/04 às 08:20

Pois é. Cliente é algo muito delicado de se lidar, mas acho q o Fred ta certo. Se fazemos o que o cliente quer e o projeto dele afundar somos os culpados e ele, mesmo sendo culpado, vai mudar de empresa e ainda falar mal da gente. Segue um exemplo: Uma amiga minha foi ao dentista. Ela precisava de aparelho para correção dos dentes mas, antes disso, precisava operar o dente do ciso. Ela morre de medo de operar e queria por o aparelho assim mesmo mas o dentista se recusou a faze-lo. Se fosse um pilantra qualquer ele teria colocado o aparelho (que n é uma coisa barata) e, após os dentes ficarem corretos, o dente do Ciso os empurraria de novo e nada teria adiantado. Pode parecer que o dentista ético perder o Cliente mas com certeza ganhou a confiança da minha amiga. Ela não ira saindo por ai fazendo propaganda negativa e pode até indica-lo se for o caso. A agéncia de propaganda que encabeça o grupo que eu trabalho aqui também é dessas de, em alguns casos, recursar clientes. Não pq ta sobrando grana, nem pq ela n aceita opnião do cliente, mas pq ela segue uma postura de propaganda mais criativa e que resgate valores de seu público. Bom, isso é assunto pra um portal inteiro, deixa eu parar por aqui ;-) Abraços a todos


Discussão
DaniCast
03/04/05 às 20:50

Concordo com a Carolina, o cliente sempre "culpa" quem desenvolveu o site,, independente do designer ter ou não seguido o "briefing". Eu vi os dois sites, o da Marba e o da Lifemotion. O da Marba eu descobri o que era porque está escrito "frigorífico" - embora o visual me desse uma impressão de estar diante de uma pia de banheiro. Já o site da Lifemotion, com sua aparência de "anime" tornou realmente difícil a tarefa de descobrir do que se trata a empresa. O que percebo quie vem acontecendo há muito tempo são sites que perderam a função e o objetivo. A idéia principal de um site deveria ser valorizar a marca e a empresa dona do site. Os sites muitas vezes são bonitos, cheios de tecnologia e... inúteis. Não valorizam a marca, não vendem nada, são confusos de navegar, não transmitem nenhuma mensagem, não tem nem o email de contato ou o telefone da empresa...
Eu prefiro recusar um projeto quando percebo que vai terminar em desastre. Até porque, além do desgaste, termina não servindo nem pra portfolio.


Discussão
Gêifison
29/04/05 às 00:12

eu "comcordo" mais digo que nao e tão facil assim diser não ao cliente, que não quer entender que da maneira que ele estar pedindo não vai ficar legal


Discussão
André
25/06/05 às 16:00

Na minha opinião o logotipo do cliente tem que permitir animação. Isso tem que vir do designer que criou a marca, ele tem que pensar nas aplicações da marca em diversos tamanhos e cores, pois bem há de se começar a pensar na marca animada, em interações.
Vejam o caso da marca do Xbox da Microsoft, é o caso tipico de marca criada para esses fins. Já a da própria Microsoft não te permite uma animação direta, apenas incluindo outros elementos para temos animação.
Symantec é outro caso que possibilita animações.

Penso que não é só o designer que deve defender certaz restrições ao cliente, a agência toda deve fazer isso, não adianta 1 designer dizer que não e tal, e o chefe dizer que sim. Tem que haver coesão. A agência que rejeitou o cliente (Coscarque) é um caso raro, com certeza eles ou tem um visão bem correta dos jobs ou não estavam precisando de grana ou ainda estavam ocupadissimos com outros trabalhos.


Discussão
Daniel
09/08/05 às 18:45

Não gosto do termo logomarca. Sugiro a leitura do texto que está em:
http://www.designgrafico.art.br/pontod/mural/logomarca_erro.htm

um abraço.


Discussão
iris
04/02/06 às 18:44

idem do usuario acima, mas é questao de gosto é q esta alavra significa o significado ou seja ta erradissima!!!!

http://ifdcom.blogspot.com/2004/09/logomarca-um-erro.html


Discussão
Maeli Pereira
14/03/06 às 12:25

Concordo com você Fred. Coerência sempre.

E concordo plenamente com o que li acerca do termo logomarca.

http://www.designgrafico.art.br/pontod/mural/logomarca_erro.htm


Discussão
maumequer.
19/05/06 às 01:00

sou contra seu artigo

toda marca pode ser animada

design gráfico é uma atividade de constante superação apartir de soluções excelentes.
É parar, pesquisar e buscar referência.(google mesmo, tipo marca+animação, brands+animation..blabla)
(existe até design shop na gringa que só fAZ ISSO,q aliás é uma área q já tem nome, "motion brand")


Qualquer barreira é chata quando não temos competência.


Discussão
IFDBlog
22/06/06 às 11:35

Logomarca nao significa absolutamente nada:
http://ifdcom.blogspot.com/2005/11/logomarca.html


Discussão
Mirla S. Pereira
30/06/06 às 17:08

Boa tarde!!!

Sou Arquiteta e estou precisando de uma Logomarca, e um Cartão de Visita!

Gostaria do orçamento!

Obrigada,

Mirla Pereira


Discussão
SiTeS
26/09/06 às 21:49

muito interessante a discussão sobre logomarca, interessante o site...se precisar de criação de logotipo: http://www.fasites.com.br


Discussão
FRANCISCO EDIVALDO FERREIRA MOREIRA
23/10/06 às 15:52

Existe alguma técnica para desenvolver logomarcas para a venda de confecções? Como faço criar uma logomarca para a marca "GARDEN LINGERIE"?





Você merece.

Assine nosso conteúdo e receba novidades sem sair de casa!

Atualizado com o Movable Type.

Alguns direitos reservados por Frederick van Amstel.

Apresentação do autor | Consultoria | Portifólio | Política de Privacidade | Contato