Usabilidoido: Menu Principal

English Website


Web 2.0 no Brasil

Discussão atinge a mídia especializada.

Web 2.0 tenta elevar a rede

A Revista Webdesign de Janeiro de 2006 traz uma excelente reportagem sobre Web 2.0 do ponto de vista dos brasileiros que estão antenados no assunto. Ao invés de abordar o assunto como uma evolução de paradigmas tecnológicos, a reportagem mostra que Web 2.0 é muito mais do que isso. Foram entrevistados profissionais como Abel Reis, Cristiano Dias, Fabio Seixas, Márcio Tristão e eu.

Além dessa reportagem, a edição conta com uma boa entrevista com Felipe Memória, autor de Design para a Internet. Vale à pena conferir.

Abaixo publico a entrevista que o jornalista Luis Rocha fez comigo para escrever a reportagem. Na revista foram publicados os melhores trechos.

O "modo perpétuo beta" é o modelo para desenvolvimento na Web 2.0?

Vejo mais o pessoal usar o selo "versão beta" como desculpa para eventuais bugs de sistemas lançados precocemente do que como incentivo para usuários sugerirem modificações no sistema. A proposta do estágio beta não é encontrar bugs. Para isso existem as versões alpha distribuídas anteriormente para os departamentos de qualidade das empresas. A moda de perpétuo beta pegou porque o investimento em Web 2.0 ainda é arriscado demais para custear departamentos de qualidade. Na medida em que o retorno seja comprovado, as empresas vão querer garantir que não haja problemas com seus sistemas e o beta terminará.

Quais são as principais diferenças da Web 2.0, em termos de conceitos e tecnologias, em relação a "Web 1.0"? Quais são as vantagens da Web 2.0?

Não gosto desse nome Web 2.0 porque dá a impressão de que houve uma Web 1.0 anterior. Web 2.0 é um movimento social que discute os fundamentos da rede, não uma versão de software ou de arquitetura de redes e é a primeira vez que isso é feito em público. A Web que temos hoje foi criada pela elite acadêmica e o W3C, que atualiza seus padrões, ainda é constituído por esse pessoal mais os engenheiros das grandes fabricantes de softwares.

A grande vantagem da Web 2.0 é justamente essa: mais poder para o usuário. Ele agora é peça-chave na geração de conteúdo, pode remixar o conteúdo gerado por outros usuários, pode classificar informações como quiser, pode interagir com interfaces mais inteligentes e etc.

Alguns usuários já brincam com toda a atenção que o tema Web 2.0 vem recebendo. Independente do seu sucesso ou não, quais mudanças o conceito e a prática da Web 2.0 trará para o trabalho do webdesigner?

Para fazer Web 2.0, o webdesigner precisará entender muito melhor sua função social. Porque a empresa precisa dessa interface? Como ela se insere em suas estratégias? Quem são as pessoas que vão usá-la? Que impacto a interface tem em suas vidas? O webdesigner 2.0 precisa saber que seu trabalho vai muito além de uma tela de computador.

Podemos considerar as comunidades virtuais como o "mapa da mina" no mercado Web 2.0?

Desde que surgiu a Internet volta e meia alguém diz que o futuro são as comunidades, daí surgem um monte de iniciativas ridículas como fóruns de discussão para "troca de receitas" no site de uma marca de molho de tomate famosa. A idéia do fórum não é ruim, o problema é o lugar onde ele está. Dificilmente uma pessoa será motivada a se transformar num super-usuário (aqueles caras que carregam a comunidade nas costas) se não pode brilhar mais do que a marca do molho. Poderiam ser oferecidos prêmios para compensar, mas será que um brinde vale mais do que ser a estrela de um fórum?

O que motiva as pessoas a participar ativamente de comunidades não é o sentimento altruísta de ajudar o próximo, mas sim o contrário. Numa comunidade virtual, as pessoas podem construir seu alter-ego e vê-lo crescer pouco-a-pouco, seja em número de amigos, figurinhas de comunidades, fãs, posts, coraçõezinhos, gelinhos e etc. É como num RPG, onde você pode escolher todas as características do seu personagem e mostrar aos outros e dizer: "olha que legal quem eu sou e os pontos que ganhei". Entretanto, para ganhar pontos numa comunidade é preciso ajudar outras pessoas, ou seja, para se ajudar é preciso ajudar o próximo!

Então o que está funcionando na Web 2.0 não são as comunidades, mas sim a ampliação de oportunidades para que ilustres desconhecidos brilhem como sempre desejaram.

No artigo "What Is the Web 2.0", Tim O'Reilly aponta que o "SQL é o novo HTML". Podemos considerar o gerenciamento de banco de dados como uma das chaves para o sucesso na Web 2.0?

Gerenciar um enorme banco de dados é fácil, difícil é extrair valor dele. Mais importante do que saber formular uma consulta SQL para retornar dados relevantes é saber como transformá-los em conhecimento. Quando um dado é contextualizado, ele se transforma em informação e quando essa informação é transmitida para alguém, ela pode se transformar em conhecimento. Se isso não acontecer, a informação é inútil.

A folcsonomia do Delicious, por exemplo, permite que as pessoas colem etiquetas (tags) em urls incógnitas, permitindo que se ache ela depois que for jogada numa pilha. A etiqueta contextualiza a url e transforma-a em informação que pode ser recuperada pelo usuário. Além de permitir o acesso às urls, essa informação pode ajudar o usuário a entender seus próprios interesses e costumes manifestados no conjunto de suas etiquetas. Como são poucos os profissionais que se preocupam com a formação desse tipo de conhecimento, talvez tenhamos que esperar por outro movimento que vise tornar a Web mais inteligente...

Na Web 2.0, a idéia do que é conteúdo finalmente vai além do texto?

Enquanto a unidade fundamental da Web for a página, o texto continuará sendo o formato principal de veiculação de informação, assim como nos livros e revistas de onde foi tirada essa metáfora.

A mudança principal no âmbito do conteúdo proposta pela Web 2.0 é sua independência da apresentação original. Através do XML, conteúdos vindos de diferentes fontes podem ser remixados numa nova aplicação, gerando informações que não estavam disponíveis anteriormente. O housingmaps.com, por exemplo, é fruto do cruzamento dos mapas do Google Maps com os anúncios de venda e aluguel de imóveis do craiglist.com.

Qual a importância do AJAX para a Web 2.0?

O Ajax está permitindo fazer as primeiras experimentações para ultrapassar a metáfora de páginas da Web. Graças a ele, o foco está saindo da informação e passando à interação. Os websites podem oferecer agora além do acesso, manipulação e transformação da informação. Esse é um bom caminho para transformar toda esse montaréu de informação que temos disponíveis em conhecimento.


Dicas

Siga-me no Twitter, Facebook, LinkedIn ou iTunes.

Autor

Frederick van Amstel - Quem? / Contato - 12/01/2006

Palavras-chave

web    princípios    ajax    usuário    

Opções



Comentários

Discussão
Leandro Vieira Pinho
12/01/06 às 14:58

Excelente post Fred, sábias palavras.

A entrevista também ficou bacana, já estou até pensando em assinar a revista novamente.

Um abraço.


Discussão
Ciro Feitosa
12/01/06 às 18:48

Bacana tua entrevista. Participei de uma, dias atrás, com perguntas parecidas, rs. Abração!


Discussão
CosmeWeb
12/01/06 às 18:55

Estou com a revista aqui em casa. A revista tem muita coisa legal, principalmente a introdução do Elcio Ferreira sobre Ajax.

Claro, está com um ótimo conteúdo sobre Web2.0 para quem se perdeu no assunto.


Discussão
Rochester
13/01/06 às 10:41

Detalhe:
A "explosão" de material nos ultimo tempos sobre web 2.0 é incrível.... realmente tem muito material disponível para quem se interessar...
by [-=| §Ñ!Pë® Ðë£tå |=-]


Discussão
ygor
14/01/06 às 01:53

eu comprei a revista....realmente mt boa....ja fez 2 meses q compro ela....ela realmente vale a pena comprar....estou a lendo a parte do peixe grande...do concurso...ja ja xego no ajax....
abraços


Discussão
ALEXANDRE CORDEIRO DA SILVA
16/01/06 às 10:57

Oí Frederick van Amstel - Feliz 2006!!

Já que voce comentou sobre a Revista Webdesign desde mês http://www.arteccom.com.br/webdesign, sentir sua falta nos comentários da entrevista do Felipe Memória - sobre USABILIDADE- que particulamente não O conheço muito bem E ACHO QUE A CARA DA USABILIDADE NO BRASIL É A SUA!!

E fiquei super chateado com a revista, em não entrevista voce, sobre este o assunto USABILIDADE IN BRASIL - e SIM pedir pra voce comentar um pouco sobre AJAX.

É UMA OPINIÃO particulamente e exclusiva minha.

E quem sou é voce " CARA PALIDA" para definir AS MATERIAS DA REVISTA!!! he he

- Eu sou um simples mortal, que entente o mínimo sobre um pouco de USABILIDADE QUE APRENDIR COM VOCÊ!!

PELA ATENÇÃO OBRIGADO!!!


Discussão
Fred
16/01/06 às 11:08

Alexandre, o Felipe pode não participar ativamente das comunidades virtuais e manter um blog com centenas de posts sobre o assunto, mas ele possui uma experiência que eu não tenho.

O livro que ele escreveu é baseado na sua experiência prática numa grande empresa que investe em Usabilidade, a Globo.com. Conheço muita gente que está nessas grandes empresas e não está nem aí em compartilhar o conhecimento adquirido.

Acho que ele merece o mérito que a revista lhe deu. Quem sabe, quando eu terminar meu livro, eles me chamam também? Não tenho pressa.


Discussão
ALEXANDRE CORDEIRO DA SILVA
17/01/06 às 09:25

É isso aí!!
Obrigado por sua resposta Fred!!

Agora você levantou outra lebre, a de publicar um livro no Brasil, é um parto cara, - "NADA DE USUBILIDADE" falo não na criação e conteúdo (onde vc senta pensar escrever e reescrever, ou seja, arruma tempo e faz) falo da produção em si: - editoração, publicação e distribuição.

Será que vc também não tem ninhuma dica nessa area da usabilidade.

Pela atenção obrigado!!


Discussão
Tiago
15/03/06 às 13:32

Tem muita gente boa falando coisas interessantes a respeito da WEB 2.0. Principalmente nos Estados Unidos, Europa e Brasil.
E também tem gente boa desenvolvendo produtos, serviços e aplicações para WEB 2.0.

Aceitam um desafio?

Acesse o site www.webviolin.com e comente se o Brasil está ou não na vanguarda mundial da WEB 2.0. (garanto que não irão se decepcionar!)

Abr,
Brazil 2.0


Discussão
Marcus Camargo
10/07/06 às 17:34

Muito interessante! acredito e invisto na tecnologia tão falada.


Discussão
diego
19/08/06 às 07:32

um pouquinho de web 2.0 brasileira:
http://www.linkk.com.br

abraço

Diego


Discussão
Colaboraty
22/09/06 às 15:47

New service about web 2.0: Colaboraty (http://www.colaboraty.com)


Discussão
Familiaridade
14/02/07 às 17:38

Novo serviço web 2.0: Familiaridade
(http://www.familiaridade.com.br)


Discussão
taty
02/04/07 às 13:46

quais sao as vantagens e os exemplos da web 2.0


Discussão
Thiago
09/01/09 às 02:52

Web 2.0 pelo que entendo é um site vazio, um sistema vazio onde quem faz o conteúdo são os próprios visitantes. É uma explicação bem simples pra animar quem quer entender e vê aquele enorme texto explicando o que é ...

Falando em Web 2.0, tai uma boa dica é a THNET, onde os usuários podem ter um link direto para seu profile e ter os contatos da sua lista abaixo do seu nome como prova de credibilidade corporativa.

O meu é:
http://www.thnet.com.br/profile.php?id=1

Me add lá, ok?

Abraços e parabéns pelo Blog!

Thiago


Discussão
Link Consultoria Digital
21/02/13 às 11:18

Somos uma Consultoria Digital e acreditamos no papel que web 2.0 . representa pois acreditamos que o usuário é a peça fundamental na (des)construção do conteúdo digital. as empresas precisam entender que a interatividade é a liga que dá relevância para o conteúdo. Sem ele não existe tráfego. Sem tráfego ñ existe leads e sem leads ñ existe metas batidas.




Comente.






(aguarde que é demorado mesmo...)


Você merece.

Assine nosso conteúdo e receba novidades sem sair de casa!

Atualizado com o Movable Type.

Alguns direitos reservados por Frederick van Amstel.

Apresentação do autor | Consultoria | Portifólio | Política de Privacidade | Contato