Usabilidoido: Menu Principal

English Website


Uma inexplicável sensação de bem-estar

A contribuição do design para a qualidade de vida.

Volante de um carrão vermelho

Sabe aquela sensação que dá quando estamos satisfeitos com alguma coisa? É tão bom... mas dura pouco! Quando atingimos a plenitude e nada mais nos falta, a primeira providência que tomamos é negá-la. Sempre falta algum detalhe, algo que ficou por ser feito e que continua nos requisitando. Mas claro: viver é fazer.

Bem-estar não é um estado que se atinge quando cessam os desejos, mas sim uma busca. Quem vive bem, vive bem porque pode experimentar e descobrir o que é viver bem. Se existisse uma receita pronta para uma boa vida que servisse a todos, o socialismo teria dado certo. Na verdade, um dos fatores que mantém o capitalismo funcionando em nossa sociedade é sua capacidade de produzir bens de consumo diversificados em abundância, adequando-se razoavelmente a diferentes estilos de vida dos consumidores.

O design surgiu, precisamente, quando o capitalismo atingia seu ápice de abundância e a concorrência, inevitavelmente, tinha que acontecer em outra arena. Uma saída encontrada por algumas indústrias foi a diversificação da linha de produtos, trabalhando com públicos menores, porém fiéis. O design entrava com a melhoria da qualidade do produto, um diferencial que permitia elevar seus preços. A referência inicial eram valores universais como os ideais clássicos de harmonia, o conceito de “boa forma” da Gestalt, a adaptação dos produtos às medidas corporais da média da população e etc.

Essa estratégia universalista durou enquanto os consumidores estavam satisfeitos em se identificarem com “a massa”. A partir dos anos 60, o burburinho provocado pelo contato entre culturas promovido pela rede de transportes e comunicação, as pessoas passaram a procurar estilos de vida próprios, procurando uma mistura que as tornassem únicas no mundo todo. Difícil definir o que era bem-estar para essas pessoas, já que cada uma pensava diferente. Alguns queriam paz e amor, outros só pensavam em fama e dinheiro...

No final do século XX, o contato intercultural se tornou familiar. As pessoas já conversavam na mesa do jantar como era viver no socialismo soviético ou na tecnocracia japonesa. Ao invés de criticar, as pessoas tentavam entender as diferenças, afinal de contas, os outros povos também eram humanos e cidadãos do mesmo mundo. As viagens turísticas para o exterior adquiriram outra conotação: era uma forma de aprender como outras pessoas conseguiam viver bem em situações completamente diferentes às que o viajante considerava boas em sua própia cultura.

O bem-estar hoje é considerado relativo, entretanto, as pessoas concordam em uma coisa: bom mesmo é poder experimentar. O desejo dos consumidores por novas sensações, novas experiências, novos estilos de vida, tem levado o design a abstrair seus objetos de trabalho. A forma dos produtos parecem cada vez mais sugerir as experiências que se pretendem a proporcionar. Os designers chegam a cogitar se o que estariam projetando não seria a própria experiência do produto. Se a experiência é projetável ou não, o fato é que ela é só mais uma tentativa na busca do indivíduo pelo bem-estar dentro de seu estilo de vida próprio. O design, para os consumidores, não define o que é bem-estar mas é um caminho.

Este artigo foi publicado originalmente na Revista Design do website da Tramontina Design Collection.

Dicas

Siga-me no Twitter, Facebook, LinkedIn ou iTunes.

Autor

Frederick van Amstel - Quem? / Contato - 06/08/2007

Palavras-chave

bem-estar    conforto    sensação    emoção    estética    

Opções



Comentários

Discussão
Irving Suna
08/08/07 às 22:56

Muito interessante. Muitas vezes nós desfrutamos dos benefícios proporcionaos pelo design (de uma forma geral) mas poucas vezes nos demos conta que designers deram duro, analizaram e estudaram muito para atingir tais formas.


Discussão
tigo
09/08/07 às 15:16

Teu texto valoriza o design e o designer.
É inspirador no ponto em que suavemente se aprofunda em questões não tão aparentes mas inerentes ao design.
Parabéns Fred.


Discussão
Luciano Lobato
20/08/07 às 21:45

Oi Fred,

Legal você ter pego o conceito de bem-estar, ao invés de felicidade, como muitas vezes os UX designers usam. Lembro de um artigo que contrapunha a experiência do usuário e a usabilidade, dizendo que enquanto o último objetivava a facilidade de uso, o primeiro objetivava a felicidade do usuário. Ingênuo ao extremo =)

Acho que é bem isso que você disse. O ser humano tá sempre na busca, nunca conseguindo essa completude. Eu não sou psicanalista, mas o Lacan dizia que o homem é o sujeito da falta, e que em toda história, a pessoa pode ter apenas três papéis: o de desejante (aquele que deseja), o de objeto de desejo (o desejado) e o de castrador (o que impede o desejante de conseguir o desejado). Faz algum sentido.

[]s!


Discussão
Ministério da Saúde
26/04/10 às 15:39

Caro blogueiro,

A vacina contra Influenza H1N1, que já matou 1.632 brasileiros, está disponível nos postos de saúde pública de todo o Brasil para pessoas com maior risco de desenvolver a forma grave da doença. A vacina foi testada, é segura e já foi utilizada por mais de 300 países do Hemisfério Norte. Sábado, 24, começa mais uma etapa da campanha, voltada agora para a vacinação de idosos com doenças crônicas. No entanto, a população das outras etapas - jovens de 20 a 29 anos, grávidas, crianças maiores de 6 meses a menores de 2 anos e doentes crônicos com menos de 60 anos - ainda podem procurar os postos para se vacinar.

Por isso, é muito importante contar com a sua colaboração! Você pode ajudar por meio de materiais que disponibilizamos especialmente para blogs.

Para mais informações sobre como se tornar um parceiro, escreva para [email protected]

Atenciosamente,
Ministério da Saúde


Discussão
Carlos Gustavo Xavier
26/04/10 às 18:08

Sensacional o Ministério da Saúde ficando "trendy". hehehehe.




Comente.






(aguarde que é demorado mesmo...)

Pegue um fruto.


Você merece.

Assine nosso conteúdo e receba novidades sem sair de casa!

Atualizado com o Movable Type.

Alguns direitos reservados por Frederick van Amstel.

Apresentação do autor | Consultoria | Portifólio | Política de Privacidade | Contato