Usabilidoido: Menu Principal

English Website


Transparência e design afetivo

Atração e repulsa, para bem, para mal.

Evolução da transparência do iMac

Esbarrei no HD externo de meu amigo, caiu no chão e quebrou a cabeça de leitura. Lá se foram 80 GB de dados, alguns sem backup. Para recuperar, somente mandando numa oficina cirúrgica, que cobra o olho da cara. Outro amigo que presenciou a cena tentou consolar: "olha só, é um problema de Usabilidade: o cabo de USB soltou na queda, mas ele poderia ter segurado, poderia ter uma trava". Claro que isso não diminuiu meu sentimento de burrice nem um pouco.

Levei num técnico especializado em reparo de hard-disks e descobri um submundo. Na oficina dele, haviam centenas de HDs esperando para serem consertados. Diz ele que o negócio tá crescendo muito porque os fabricantes competem em quantidade e não qualidade, ou seja, vale mais à pena fazer dois HDs meia-boca do que um de qualidade. 

Tudo bem que eles são obrigados a trocar um HD defeituoso na garantia, como é o caso do meu amigo, por um novo, mas a maioria das pessoas não sabe disso e simplesmente joga fora o HD defeituoso. 

Na opinião do técnico, HDs externos como o do meu amigo não são adequados para a mobilidade que os fabricantes propõem, já que não tem resistência alguma a quedas e sacudidas. 

Coincidência ou não, o HD que caiu era igualzinho ao da propaganda abaixo e estava exatamente na mesma posição quando esbarrei. Nunca faça isso, pois a probabilidade de cair quando você usar o teclado do laptop é muito grande.

Propaganda WD Passport

O técnico me disse que quando as pessoas manipulam um HD interno elas são super cuidadosas, mas quando está num case USB, como no HD externo, elas tratam com o mesmo desleixo da garota propaganda acima. O case parece tão confiável e robusto que você pode até carregar no bolso.

HD de bolso!

O técnico disse que algumas pessoas nem sabem que dentro do case tem um HD comum, menor e mais delicado. Acham que é só um pendrive grandão...

Quem sabe se o case fosse transparente, as pessoas não tomariam mais cuidado? Fiz um modelo rápido de como ficaria isso no Google Sketchup, juntando modelos prontos criados por usuários. Primeira vez que mexi nesse software. Achei super-fácil, mesmo para quem nunca modelou nada em 3D.

HD externo com case USB

A Western Digital até tem um modelo de HD interno com case transparente, mas é focado no público Geek que supostamente seria curioso para ver as entranhas da máquina funcionando. Para o público leigo, a transparência inspiraria não curiosidade, mas medo. Venderia muito menos, mais duraria muito mais

Por outro lado, a transparência física poderia contribuir para uma imagem corporativa de transparência com o consumidor. A Apple conquistou uma legião de adoradores quando lançou os iMacs com case translúcidos multi-coloridos. Johnattan Ive diz que foi numa fábrica de doces para se inspirar no uso da transparência no design. A técnica fez tanto sucesso que foi copiada em diversos produtos eletrônicos e, mais recentemente, produtos de plástico em geral.

Evolução da transparência do iMac

Transparência é um poderoso recurso para o design afetivo. Pode causar atração ou repulsão, ensinar ou alienar, diferenciar ou homogeneizar, dependendo do caso. Essa característica ambígua demonstra como a escolha de materiais no Design não é  algo trivial, mas envolve questões psicológicas e comportamentais bem complicadas, mas com grandes perspectivas de retorno.


Dicas

Siga-me no Twitter.

Autor

Frederick van Amstel - Quem? / Contato - 24/09/2008

Palavras-chave

emoção    transparência    segurança    

Opções



Comentários

Discussão
Renata do Carmo Crisóstomo
25/09/08 às 10:41

adorei a matéria. também tem um termo chamado joy of use, que é qualquer produto que tenha um design que envolve a experiência do usuário como sucesso deste produto.
Você poderia comentar sobre o joy of use?
qual seria as questões que diferenciam ele do design de usabilidade. Abordando a perspectiva que o joy of use tem que ser "divertido"?
Abração
Renatinha de BH amiga do Camilo


Discussão
Fred van Amstel
25/09/08 às 15:03

Oi Renata! O exemplo de uso de transparência no HD e no iMac causam emoções inversas, mas ambos contribuem para uma melhor experiência. O HD transparente não é nada divertido, mas é mais seguro.

Esse discurso de "joy of use" parece bacana, mas não é viável. Ninguém quer se divertir o tempo todo. Ansiedade, tristeza, saudades são sentimentos que enriquecessem a vida e não devem ser eliminados artificialmente. Por outro lado, também não podemos cair no radicalismo oposto, do racionalismo minimalista sem graça.

Todo projeto deve ter um balanço específico de usabilidade, diversão, segurança, estética e demais aspectos. Em alguns casos, um aspecto é mais importante, em outros, outros aspectos.


Discussão
Pedro Ferreira
28/09/08 às 06:50

Bem legal a matéria e gostei muito do "seu" HD. Vou entrar no Google Sketchup pra ver se é fácil mesmo de mexer.


Discussão
Michelle Oliveira
03/10/08 às 13:13

Gostei muito do post, há tempos não visitava seu blog. Mas você continua de parabéns!!
A transparência em produtos é sempre bem vista e bem aceita com certeza. Como dizem por aqui, dá um visual "clean" no objeto. E é bem mais atrativo.

Mudando de assunto.....gostei muito da frase:

"... Ansiedade, tristeza, saudades são sentimentos que enriquecem a vida e não devem ser eliminados artificialmente... "

Cara isso foi profundo!!Normalmente faço uma leitura corrida pra não perder o foco do assunto, mas foi impossível continuar quando cheguei nessa parte. É que dificilmente alguém vê pontos positivos nesses sentimentos. Ainda bem que essa parte estava no final do artigo....rsrsrsrs

Mais uma vez...parabéns!!


Discussão
Murilo Hildebrand de Abreu
07/10/08 às 09:47


LÍMPIDOS E TRANSPARENTES

(Revista IstoÉ, 26/09/08)

Marcas que desejam passar confi ança, inovação e modernidade investem em embalagens e produtos incolores

Suzane Frutuoso

NOVIDADE Produtos cristal ganharam força nos últimos cinco anos: mensagem de pureza

Transparência é um adjetivo conferido a pessoas, objetos e situações que definimos como confiáveis. O mercado se deu conta disso e as empresas começam a oferecer produtos em embalagens de plástico ou vidro nas quais é possível observar o interior. Mais: em uma parcela deles, o conteúdo também é incolor. A tendência começou tímida, nos anos 70, com as embalagens PET. Na década de 90, ganharam expressão com as garrafas de refrigerante. Nos últimos cinco anos, toda marca que deseja passar inovação e modernidade investe em embalagens e produtos cristal.

A diferença essencial, segundo especia listas, é que desta maneira transmitem a mensagem de credibilidade e pureza. “São novas soluções que colocam o consumidor em contato visual direto com o produto. Pode-se ver o que está dentro, a textura, a aparência. Ou até enxergar através dele”, diz Gisela Schulzinger, coordenadora do Comitê de Design da Associação Brasileira de Embalagem. Do ponto de vista psicológico, a possibilidade de visualização encanta também pela beleza e por vender a idéia de que não há barreiras entre o com prador e o que ele pretende adquirir. “Para o consumidor, a trans parência é uma qualidade a mais do produto”, diz Fabio Mestriner, coordenador do Núcleo de Estudos da Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Embalagem da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), de São Paulo. Os transparentes surpreendem o consumidor, acostumado ao excesso de informação visual existente nas prateleiras.

No Brasil, a tendência cristal faz-se presente, principalmente em cosméticos e itens de higiene, como perfumes, desodorantes, xampus, sabonetes líquidos e anti-sépticos bucais. O laboratório Sanofi-Aventis lançou no ano passado o Cepacol Cool Ice, um anti-séptico bucal numa embalagem que dá ao produto a idéia de ter saído da geladeira. Batizado de frasco frozen, sua composição confere também uma sensação mais refrescante (graças à tecnologia cooler, que prolonga o efeito de frescor) e leve do que os coloridos que predominam no mercado. Tanto a embalagem quanto a substância incolor foram pensadas pela empresa para melhorar a comunicação com o consumido – por não ter corante na fórmula, não interfere em tratamentos para clarear os dentes. Até os alimentos entraram na onda da transparência, como azeites e conservas que tradicionalmente vinham só em lata. Um exemplo é o milho em conserva da marca Olé, atualmente no mercado em embalagens de vidro. Segundo Mestriner, as vendas do produto aumentaram quatro vezes após ter chegado às prateleiras a versão que permite enxergar o alimento.

http://terra.com.br/istoe/edicoes/2030/artigo103837-1.htm


Discussão
AnjoDigital
12/10/08 às 23:35

Não só a transparência acredito eu, pois as cores são outros recursos que psicologicamente ou culturalmente fazem a diferença na escolha. As cores bem trabalhadas com um toque de modernismo ( caso da transparência ) são cruciais para o sucesso do produto em lançamento.


Discussão
Ana Priscila Clemente
17/10/08 às 00:42

Fui atraida pela curiosidade de saber o q vc fez para resolver o problema do seu amigo hehehe. Ao final, gostei da matéria e do "seu" HD. Coisinhas transparentes são sempre lindinhas =)



Retrucadas

Se você tem um blog, pode retrucar via TrackBack:
http://www.usabilidoido.com.br/cgi-bin/mt/mt-tb.cgi/663


Comente.






(aguarde que é demorado mesmo...)


Você merece.

Assine nosso conteúdo e receba novidades sem sair de casa!

Atualizado com o Movable Type.

Alguns direitos reservados por Frederick van Amstel.

Apresentação do autor | Consultoria | Portifólio | Política de Privacidade | Contato