Usabilidoido: Menu Principal

English Website


Design e criação coletiva

Pensando em problemas e soluções.

problemas_solucoes.png

Durante minha pesquisa de mestrado, levantei uma série de questões aqui no Usabilidoido que não consegui desenvolver suficientemente. Meu objetivo era desenvolver uma metodologia de design materialista-dialética, mas não houve tempo suficiente para isso. Agora, no doutorado, estou retomando o fio da meada e acredito que já tenho alguns avanços interessantes para compartilhar.

A primeira realização veio da minha experiência de mercado pós-mestrado: você não deve lutar por nenhum purismo acadêmico na prática de mercado. Ao invés de rejeitar o modo como as pessoas fazem algo e dizer que você sabe como fazer melhor, é muito mais interessante incorporar a prática dentro da sua visão, demonstrando que sua proposta pode complementar e estender, não substituir.

Então, meu objetivo hoje não é criar mais uma metodologia de design. Meu objetivo atualmente é apoiar o design que é realizado livremente por especialistas e não-especialistas, o que venho chamando de Design Livre. O Design Livre não é uma metodologia de design. É uma filosofia ou talvez pedagogia que tenta criar conexões entre o que as pessoas já sabem sobre design e o que elas podem vir a saber por fazer design. O Design Livre atua na Zona de Desenvolvimento Proximal.

zdp.jpg

Sim, o Design Livre tem tudo a ver com aprender fazendo, mas isso não significa que dispense teoria. Quando se trabalha com o conhecimento de profissionais do fazer (como o Design, por exemplo), Donald Schön demonstra que não faz sentido separar teoria de prática, pois ambos estão entrelaçados firmemente na realização das atividades diárias. É o que Marx chamava de praxis.

O questão que deixou Schön encafifado, era como o conhecimento dessas profissões avançaria, se havia um ciclo de retroalimentação entre teoria e prática. Ele propõe, então, o conceito de reflexão na ação, o momento em que você pára de agir mecanicamente, pensa sobre a situação e tenta fazer melhor. Através da comunicação de tais reflexões, o conhecimento das profissões avança.

Minha visão sobre o assunto é que, na maior parte do tempo, não há tempo para reflexão. O profissional simplesmente faz o que tem que fazer, sem pensar muito se poderia fazer diferente. Porém, a comunicação sempre acaba acontecendo, de uma maneira ou de outra, pois é um requerimento da própria profissão. O profissional trabalha numa rede e precisa comunicar-se com outros profissionais para ser bem sucedido em suas tarefas.

Discutindo um projeto no escritório Faber-Ludens

É nesse momento em que ele reflete mais profundamente: enquanto tenta comunicar-se com outros. Estendendo a idéia do Schön, proponho a noção de reflexão na comunicação, que também é um tipo de ação, mas que uso apenas para enfatizar a importância do momento.

Quando uso o termo comunicação, não estou me referindo à apresentar os resultados do trabalho. Estou tomando comunicação como um processo multilateral e interativo, uma conversa. Schön também utiliza a noção de conversa, porém metaforicamente: para se referir à reflexão que surge da interação com a situação em que o profissional realiza seu trabalho. Eu estou me concentrando na conversa num sentido literal, pois é algo que pode ser observado e tem mais a ver com a pedagogia freiriana, da qual tenho grande simpatia.

Schön utiliza a análise de conversas entre profissionais como um meio para chegar na reflexão, um fenômeno cognitivo. Eu uso a conversa para chegar na comunicação, um fenômeno social. Eu não estou interessado em analisar como se dá o salto criativo de um profissional, meu interesse é no como fazer esse salto acontecer entre grupos de profissionais e não-profissionais. Enfim, como incentivar, equipar e avaliar a criatividade coletiva em práticas de design.

Esse interesse me trouxe de volta à questão da origem do projeto. Na época do mestrado, escrevi que a participação já acontecia desde o início do projeto, fruto de intenções conflitantes e desejos contraditórios. O papel do designer seria mediar contradições e não resolver problemas. Nessa época, eu acreditava que, frente ao desafio da criação coletiva, o papel do designer seria mediar o processo. Hoje eu continuo acreditando que isso é possível e desejável, mas não necessário. A criação coletiva vai acontecer, independente de ter um mediador especialista ou não. E as pessoas vão falar de problemas e de soluções, mesmo que seja uma terminologia inadequada.

O que me preocupa hoje é como suportar a criação coletiva onde não há a possibilidade de haver um mediador especialista em Design Participativo ou outras metodologias colaborativas. Eu ainda não sei exatamente qual será minha contribuição nesse sentido, mas o que tenho feito até agora é colocar as teorias fundamentais de Design sob a perspectiva de um processo coletivo.

Uma noção fundamental é que design é solução de problemas. Na época do mestrado eu desafiei essa noção dizendo que a mediação de contradições não era solução de problemas. Pode ser que eu estava certo ou pode ser que eu estava errado. Tudo depende do que se considera ser um problema e o que se considera ser uma solução.

O interessante é que essa escolha impacta diretamente o resultado do processo de design. No momento estou preparando um experimento com estudantes de design para verificar isso, mas já posso compartilhar os resultados da pesquisa bibliográfica que fiz para montar o experimento.

Gravei usando o ShowMe no iPad. Os detalhes do experimento serão publicados no meu blog em inglês.


Dicas

Siga-me no Twitter, Facebook, LinkedIn ou iTunes.

Autor

Frederick van Amstel - Quem? / Contato - 20/09/2011

Palavras-chave

metodologia,    design    thinking    

Opções



Comentários

Discussão
zer
30/09/11 às 12:21

Acho q o design é mediação entre a meta e o real. Entre o desejavel e o essêncial. Estudei artes mas aprendi mesmo fazendo. Bom texto!


Discussão
henrique geremia nievinski
21/11/11 às 02:19

Quando eu li o texto veio à cabeça Inovação Incremental e Melhoria Contínua. Mesmo tendo aplicação mais corrente em manufaturas, talvez, digeringo bem, possa ser uma boa referencia sobre técnicas pra melhoria dos processos que envolve o design. Falei por falar mesmo, não conheço muito do assunto, mas vai que serve pra alguma coisa. =P


Discussão
Fred van Amstel
21/11/11 às 06:02

Boa dica, Henrique! Tambéma acho que a criação coletiva está mais para inovação incremental do que para inovação de ruptura. Isso pode ser observado nas comunidades de software livre que versão após versão o software se torna mais robusto aqui e acolá, mas o modelo de interação continua basicamente o mesmo. Quando há alguma inovação de ruptura, os membros da comunidade não aceitam e a idéia pode virar um fork, um projeto paralelo.

Acredito que se conseguirmos desenvolver Zona de Desenvolvimento Proximal coletiva, é possível estender as possibilidades de inovação sem perder a segurança que a comunidade oferece. Acredito que o Mozilla Labs é um bom exemplo de ZDP: http://mozillalabs.com/


Discussão
Roger
09/05/12 às 10:48

Cara, não acho que o fato de termos diferentes soluções de vários alunos (designers) dependa tanto assim da interpretação do problema. Simplificando, imagine que o problema seja: 'Não gosto da cor branca dessa parede e não tenho preferência de cor. Resolva.'
A solução seria trocar a cor para azul, vermelho, verde, amarelo ou mesmo fazer um desenho, entre algumas possibilidades e etc. Ou seja, nesse caso, independente da interpretação do problema temos várias soluçoes. Não faz sentido?


Discussão
Frederick van Amstel
09/05/12 às 12:29

Compreender melhor o problema faz parte do processo de design. Quando se recebe um problema pouco especificado como esse, dificilmente pula-se direto para a solução, como num problema do tipo "quanto é 2+2?". A interpretação consiste num reenquadramento do problema, pra usar um termo do Schön. O designer pode se perguntar porque você não gosta da cor branca? Será que o problema é a cor da parede ou a iluminação da sala?

Cada enquadramento vai gerar uma solução diferente, inclusive soluções que não resolvem diretamente o problema inicial, mas que propõem outro problema, como por exemplo, uma mudança na iluminação. Por isso eu considero que são problemas diferentes, mas isso vai depender muito do que você considera um problema, como disse no texto.

Essa capacidade de interpretar problemas e renquadrá-los é uma das habilidades mais apreciadas no mercado, mas que infelizmente a maior parte dos professores de design não trabalha. Eles entregam o problema já mastigado pois assim fica mais fácil dos alunos compreenderem a tarefa e de avaliar depois. A formação de design enfatiza muito mais a criação de soluções do que de problemas, porque é isso que o mercado pede.

Aí quando o formado entra no mercado tem um choque ao perceber que ninguém entrega problema mastigado assim, que tem que correr atrás, montar o briefing, fazer as pesquisas, definir os problemas.


Discussão
Luis Carlos
18/05/12 às 05:32

Curti o texto.
Design é isso, nao importa o quanto a gente estude. A gente aprende mesmo é na prática!
Abracos




Comente.






(aguarde que é demorado mesmo...)


Você merece.

Assine nosso conteúdo e receba novidades sem sair de casa!

Atualizado com o Movable Type.

Alguns direitos reservados por Frederick van Amstel.

Apresentação do autor | Consultoria | Portifólio | Política de Privacidade | Contato