Usabilidoido: Menu Principal

English Website


Design de interface é política

Muito interessante o artigo que saiu no Webinsider. Apesar de ser apenas retrato da situação e não dar conselhos de como lidar com os interesses dentro da empresa, vale a leitura.


Dicas

Siga-me no Twitter, Facebook, LinkedIn ou iTunes.

Autor

Frederick van Amstel - Quem? / Contato - 28/04/2004

Palavras-chave

Opções



Comentários

Discussão
Lourivaldo Delfino
24/02/06 às 23:10

Bin Laden não Morreu esta no Brasil...


Discussão
Lourivaldo Delfino
01/07/06 às 22:20

Bom político

Povo unido não existe no Brasil,
Somos milhões, não chega a mil,
Mãe, irmão, vizinho ou o tio,
União não existe, somente um da piu,

Um não adianta, ninguém da ouvido,
No meio de um milhão, será só um sumido,
A voz, o grito, não sobra nem gemido,
Por isso que bin laden quer tudo explodido,

O cara ta errado, mas isso não importa,
A vida direita começa sempre torta,
No campo, o homem, água sua horta,
Todo planeta quer fechar essa porta,

Acabar com alimento, vender muita arma,
Para o ambicioso que não pensa com calma,
Entrega sua mãe, a pátria, até sua alma,
O povo quem diria, sempre se acalma,

Isso que revolta, um povo dizimado,
Porrada, violência, morte ao coitado,
Ninguém acredita, ta tudo errado,
Ainda se investe, muito em viciado,

O político é o cara, a bola da vez,
Mas ele não ajuda, provoca embriaguez,
Raiva, ira, nem um entre três,
Gente boa de verdade, esta em escassez,

Na próxima eleição, nada vai mudar,
O povo acredita, mas demora a acertar,
A mídia, e-mail, vai demonstrar,
O poder, corrupção, vai continuar,

Mesmo assim sou homem, preciso dar um jeito,
Olhar para o céu e bater no peito,
A força, coragem, vamos fazer direito,
Mostrar para o poder, que Deus é trato feito.


Discussão
Lourivaldo Delfino
01/07/06 às 22:21

Política 2006

Vai começar, tudo de novo,
Político falar, enganar o povo,
Discurso, promessa, ninguém joga ovo,
O cara é eleito, recomeça o roubo,

Povo humilde e sempre ignorante,
Político investe, ainda garante,
Promessa, vou fazer, daqui em diante,
Mas nada vai mudar, parece uma constante,

Um abraço, um beijo, no colo a criança,
Demonstra futuro, demonstra esperança,
Povo acredita, não há desconfiança,
Mesmo o bom político, paga a fiança,

Céu ou inferno, quem vai viver,
O povo como sempre, vai sobreviver,
Acompanhar o partido, nem o eleito vão ver,
Que porra de planeta, a política do poder,

Lá fora é igual, também no Brasil,
Mesmo com guerra, mesmo com fuzil,
O povo que morre, mesmo o viril,
Esse mundo cão parece um canil,

Tem o safado e o bem intencionado,
Nesse meio seu futuro é sempre jogado,
Para segundo plano, viramos coitados,
Dinheiro, poder, é tudo ajeitado,

Quem é o cara, quem é o salvador,
O povo já sabe, o nosso senhor,
Político tem dinheiro, tudo a seu favor,
Mas o sol é pra todos, pelo menos o calor,

Nobre político, preste atenção,
Se ficar nervoso, ta na corrupção,
Eu te desafio, não uso a nação,
Mostre sua cara, ajude o povão,
Se não quiser isso, vá embora meu irmão,


Discussão
Lourivaldo Delfino
19/08/06 às 23:32

Pense e reflita
Animal irracional é bem diferente,
Vive sossegado, melhor que muita gente,
Sabe se virar, não é incompetente,
Isso é verdade, não é incoerente,

Olhe o outro lado, o animal racional,
Tem dois caminhos, o bem e o mal,
Se acha diferente, mas no fundo é igual,
Come, dorme, ainda assim é animal,

A ciência não explica, donde veio a inteligência,
O homem assassinou, carimbou sua indecência,
Matou o índio, o preto, só pela aparência.
O mundo vive agora, o sabor de muitas doenças,

Olhe a ironia, o índio era guerreiro,
Como animal, na selva era matreiro,
Caçava pela fome, era bom arqueiro,
Lutador de verdade, conhecia pelo cheiro,

Mundo refletido pela raça, pela cor,
Poder, ignorância, um mundo de rancor,
Guerra, poder, uma arma o terror,
Ser humano nesse meio vive o horror,

Faça sua escolha e diga de verdade,
Aja com decência, com sinceridade,
Esqueça sua imagem, sua vaidade,
Você prefere ficar, com bondade ou maldade?

Evolução
O homem apenas cresce e não aprende,
Faz sempre o errado, um ou outro se arrepende,
O caminho é claro, mas sempre pende,
Para aquele que não tem jeito, aquele que se vende,

A evolução esta na tecnologia,
Isso não é certo, não é sabedoria,
Aproveitar –se do próprio irmão, quem diria,
No passado não era assim, era melhor o dia a dia,

Dinheiro e poder, ta mais fácil conseguir,
O bandido nesse meio consegue até fugir,
Telefone celular, a senha para sair,
Bate, Rebate, um caldeirão a explodir,

Coitado do humilde, não sabe o que fazer,
Foge, se esconde, sabe o que temer,
Pelo filho, pela vida, uma prece pelo ser,
Deus, o caminho, a verdade do saber,

Trançado, amarrado, esta toda autoridade,
No país, no planeta, ficou pouca dignidade,
A procura incessante de aparência e vaidade,
Muitos seres humanos estão perdendo verdade,

A mídia é responsável pelo seu pensamento,
Muda, transforma, você perde o discernimento,
O valor da discursão não tem desdobramento,
Tudo se perde, até o seu conhecimento,

Difícil acreditar, o que faz a televisão,
Objeto inestimável, fruto da evolução,
Imagem fala mais, que a própria discursão,
Mas os olhos às vezes mentem, pode ser só uma visão,

Reclamar adianta?
Um homem, um povo, uma nação,
Se unem pelo bem, contra corrupção,
Cobiça, carniça, briga de cão,
Um político no meio, de muita traição,

Poderia defender, mostrar sua patente,
Mais isso não acontece, eles são carentes,
De muito poder, um sorriso nos dentes,
O que sobra para o povo, é só virar crente,

Deus o caminho, verdadeiro poder,
Mas até essa verdade, se procura pra valer,
Orar, rezar, um terreno de fazer,
O bem contra o mal deveria acontecer,

A prece do povo se mistura com o mal,
Diabo, coisa ruim, vai dar uma geral,
Aparência, indecência, vai caçar o leal,
Se você não perceber, pode até levar um pau,

Acorde, levante, mostre sua coragem,
Não precisa ser valente, para levar vantagem,
Acredite na sua força, essa é sua margem,
Engate dessa lei faça a viagem,


Povo encolhido
Um povo deve procurar, achar o seu medo,
Enfrentar com fervor, como quem acorda cedo,
Se tiver injustiça, diga intercedo,
Se cair se levante, aponte com o dedo,

Sou homem, sou sábio e tenho coragem,
Isto é filosofia, também muita vantagem,
O poder da cada um, não é por sacanagem,
Enfrente o seu eu, faça essa viagem,

Acredite em você, isso é muito importante,
Sou eu, você, somos inconstantes,
Mas a vida tem dois lados, escolha a que cante,
Não importa se é ninguém, ou se é ignorante,

Procuramos por alguém, que fale pela gente,
Lá em cima tem alguém, não é coisa de crente,
Que acredita em você, te fez como semente,
Seja alguém forte, seja consciente,

Não sou só brasileiro, sou do planeta terra,
Grito, dou porrada, sou alguém que berra,
Esse mundo tem jeito, não deixa, que emperra,
Mostre sua face, se não ele te ferra,

Estamos perdidos
Uma arma, um tiro, cai mais um no chão,
Quem atira muitas vezes, nem tem noção,
Do perigo desse mundo, do medo sem razão,
Sentimento mundial, pavor em mutirão,

A arma com certeza, é lucro garantido,
Alimento para o povo, só os escolhidos,
Se você já passou fome, sabe o que digo,
Nesse mundo todo, só se tem poucos amigos,

Venda uma arma, faça um bom contrato,
Garanta caviar, garanta um bom prato,
Esse o valor, da vida um retrato,
A morte, terror, a beleza do mau trato,

Grito, revolta, é mais um na mira,
A bala comprada e mais um que atira,
Sabe, não sabe, não há quem interfira,
O dinheiro nesse meio é cada um que se vira,

Não vamos esquecer, de quem esta no meio,
Não tem culpa, tem medo, e também esta cheio,
De ver bala passar, não saber de onde veio,
Nessa hora só meu Deus, somente neste eu creio,


Trate como um filho

Trate esse povo, como o seu filho,
Ele planta, colhe, também muito milho,
Não diga que bate, muito menos que humilho,
A vida não é fácil, mesmo pro andarilho,

Nesse Brasil, falta trabalhador,
De carteira assinada, pedindo, por favor,
Não me mande embora, isso é um terror,
As contas do mês tem seu próprio valor,

Aumenta, duplica, não da para pagar,
O credor não quer saber, somente te cobrar,
Se você não faz o jogo, seu nome vai sujar,
Onde esta a sujeira se não tem onde trabalhar?

Idéia de doido, trabalhar terceirizado,
Vivemos sob a lei, a lei do coitado,
Isso é sacanagem, tempo determinado,
Já se sabe quando termina o que foi iniciado,

Se fosse seu filho, não iria acontecer,
Ficar sempre em casa e só aborrecer,
Melhor trabalhar, isso da prazer,
Seja bom político, faça o que tem de ser,

Senhor político
Senhor político, acreditamos na verdade,
Mude nossas vidas, nossa realidade,
Esqueça a aparência, não pense em vaidade,
Faça desse povo a sua prioridade,

Pedimos sua ajuda, sua compreensão,
Invista o dinheiro, na população,
Moral, social, naquele pobretão,
Que trabalha sol a sol, que não pede nada não,

Pense no passado, presente e futuro,
Trabalhe de verdade, não de nem um furo,
Abra os caminhos, ilumine o escuro,
Não fique com medo se você ficar duro,

Envio a você, essa pequena mensagem,
Todo ser humano, só esta de passagem,
Intelectual, corajoso ou até o selvagem,
Dependemos um do outro, não importa a contagem,

Como sempre político
Você deputado pretende ser reeleito,
Diga de verdade, o que você tem feito?
Tem gente humilde internado, num quarto de leito,
Sofre com sua dor, muitas vezes no peito,

A dor que coloco aqui é de pura tristeza,
O nosso país tem muita beleza,
Você que é político mostra fraqueza,
Quando olha o dinheiro, perde a delicadeza,

Siga o raciocínio, vai dessa maneira,
Ser assessor começa na rabeira,
Aprende, desaprende, não fica de bobeira,
Política é isso, é como esta numa feira,

Grita, berra, mostra seu ideal,
Une, reúne, tudo é normal,
Definido a idéia, começa o pau,
Regra, script, tudo peça teatral,

A gente do povo, não agüenta mais,
Um incompetente, outro que faz,
Um que leva, outro que traz,
Todos perdem peso, mas ninguém perde o gás,

Respeito ao povo


Depois de eleito, começa o trabalho,
O povo nesse meio parece um paspalho,
Costura, descostura, é como um retalho,
Tratam nosso povo, como um pirralho,

Começa as divergências, CPI e muita intriga,
Alguns parlamentares entram até em briga,
De braço, de pau, não é o povo que obriga,
Perdem a decência, mas não o que os abriga,

O político se acha, ele é o senhor,
Uns sem estudo, quer que chame de doutor,
Faz tudo por si mesmo, tudo a seu favor,
Na televisão, faz teatro como ator,

Se você fosse do povo, e não tivesse o dinheiro,
Quem seria povo, quem seria maloqueiro?
Pobre ser humano, muda até o seu cheiro,
Como ser diferente, se também usa banheiro,

Destino
O responsável pelo povo, vem da sociedade,
Tem de ser homem do bem, ter seriedade,
Estando no poder, tem de ter dignidade,
Qualquer coisa fora disso, ta fora da verdade,

O destino do povo, não é risco de giz,
O ser humano nesse mundo, procura ser feliz,
Vive sempre na rabeira, a vida por um triz,
Procura por beleza, quem sabe uma miss,

O tiro, o medo, pegou outra fronteira,
Até o povo rico, pensava ser besteira,
Também foi invadido, levou uma rasteira,
Nesse mundo bandido, melhor não ter carteira,

Sinta a ironia, como o gosto do mel,
Não adianta fugir deste mundo cruel,
Todos olham para cima, se imaginam no céu,
Até na fantasia, joga a trança Rapunzel,

Ironia da politica
Do povo ele sai, e muda seu conceito,
Aprende o errado, aprende só dar jeito,
Tapinha nas costas, isso não ta direito,
Na doença é igual, acaba no leito,

Tem gente boa, mas é minoria,
Depois se calam, como a maioria,
Acerto, desacerto, que baita ironia,
O povo já entende, no fundo já sabia,

A gente quando vota, se torna obrigado,
Tenta mudar tudo, fica revoltado,
Partido, legenda, dá o seu recado,
No entanto nada muda, melhor ficar calado,

Se reclamar ninguém faz, uma voz na escuridão,
Agonia, tristeza, na pela muita sensação,
Somente o povo, esboça emoção,
Quebra, grita, porque lhe tiram a razão,

Pior de tudo isso, é se sentir um perdido,
Te chamam de errado, te fazem de bandido,
Prendem, humilham, que povo sofrido,
Pergunta não se cala, o que é partido?
Resposta insensata, dinheiro repartido

Povo unido
A união nesse país é muito importante,
Deveria acontecer, como uma constante,
Jornal, novela, coisa de tratante,
Enganam todo povo, o principal, o ignorante,

Trabalha, não ganha, não vê nota de cem,
Só rico tem prazer, se sente como alguém,
Esse mesmo fulano te trata como ninguém,
Ser povo é melhor, somos todos do bem,

Coragem, criativo, isso tem de ser,
O pai de família tem de acontecer,
Trabalha sol a sol, muitas vezes sem prazer,
Escolha, atitude, para ver os filhos crescer,

Escola, aprendizado, o filho deve mostrar,
O pai orgulhoso, dos frutos vai gozar,
Esse o destino, que se tem de superar,
Gente de verdade, tem de encarar,

Político não liga, essa a realidade,
O povo trabalha, mostra a verdade,
Paga, é honesto, mostra sinceridade,
Esse mundo de mentira é pura crueldade,

Respeito ao povo
Depois de eleito, começa o trabalho,
O povo nesse meio parece um paspalho,
Costura, descostura, é como um retalho,
Tratam nosso povo, como um pirralho,

Começa as divergências, CPI e muita intriga,
Alguns parlamentares entram até em briga,
De braço, de pau, não é o povo que obriga,
Perdem a decência, mas não o que os abriga,

O político se acha, ele é o senhor,
Uns sem estudo, quer que chame de doutor,
Faz tudo por si mesmo, tudo a seu favor,
Na televisão, faz teatro como ator,

Se você fosse do povo, e não tivesse o dinheiro,
Quem seria povo, quem seria maloqueiro?
Pobre ser humano, muda até o seu cheiro,
Como ser diferente, se também usa banheiro,

Povo iludido H16
O povo vota escolhe seu partido,
Outro anula, se sente um traído,
Em branco, não vai, finge de distraído,
A gente é obrigado, e também é punido,
Nessa hora tem valor até o foragido,

Acaba o dia começa o relatório,
Político assiste até do escritório,
Seu nome, legenda, maior falatório,
No mundo o Brasil, torna-se notório,

Parece brincadeira, o que eles prometem,
Ticket vale, ate um boi abatem,
Churrasco, alegria, não querem que abafem,
No seu entusiasmo, mostram o que fazem,

O país recomeça, o poder é central,
São Paulo, Minas ou no pantanal,
Todos os eleitos se mostram o tal,
O povo de verdade, esse se deu mal,

Saúde, ambiente ou até segurança,
Acaba a eleição, acaba a esperança,
Quem foi pego no colo, aquela criança,
Não se lembra, mas o pai se cansa,

Os bandidos, o buraco, continuam no caminho,
Na estrada pedágio, seu único dinheirinho,
Um culpa o outro, fazem teatrinho,
Não importa o partido, eles saem de fininho,

Engraçado as coisas, se você pesquisar,
Lá fora acontece, político roubar,
Idéias, assuntos, só querem se safar,
Também tem gente boa, mas nem da pra notar,


Indicam parentes, até assessor,
Dividem propinas, esquecem o trabalhador,
Velho, criança, vira caçador,
De impostos e taxas, te sugam como flor,

Você tem seu carro, mas não é seu,
Se não paga imposto, você o perdeu,
Mesmo parado, a divida cresceu,
Perdoe-me amigo você se fodeu,

A policia trabalha em cima da lei,
Ladrão sabe disso, até o gay,
Mas o trabalhador esse eu sei,
Vive em apuros, em muitos acabei,

A conta de luz, água ou telefone,
Cobram absurdos, querem seu nome,
Se você reclama, numa fila passa fome,
Não resolve nada, mas em casa você come,

Caia na real, não seja dominado,
A mídia pretende te dar um recado,
Se você acredita, perdeu o seu lado,
De gente decente que faz seu ditado,

Na se resolve nada com nossa constituição,
Bandido tem valor, fora da eleição,
Mas quem é o bandido, o político ou a nação,
E o trabalhador, não esboça reação,
Não reclama, tem medo, de receber punição,
Da bala, do guarda, a lei na contra mão,

Transito e politica
Quem tem o seu carro, é vitima fatal,
Vai levar uma multa, em qualquer marginal,
Radar, talão, é dinheiro no final,
Paga ou não anda, isso não é legal,

Pedágio, seu guarda, é tudo sacanagem,
Industria de multa, pura pilantragem,
O dinheiro vai pro bolso, pega outra margem,
Esse lucro garantido faz outra viagem,

O povo reclama, mas ninguém da ouvido,
Desculpa de segurança, relatório envolvido,
As mortes aumentam, o povo fica dividido,
O rico mais rico, o pobre é punido,

Político não liga, o dinheiro é seguro,
O seguro do carro é um grande furo,
Pra passar muito dinheiro, estamos sem futuro,
Somente o multado, que passa por apuro,

Irônico saber disso, e ninguém quer mudar,
Todos são unidos, eles querem faturar,
Ainda forçam quem não paga, querem protestar,
Que país de brincadeira, não adianta reclamar,

Povo sem noção
Sem nada, dinheiro, um povo sem objetivo,
Tem sempre nesse meio, alguém que é muito vivo,
Gente, político, costuma ser ativo,
Na hora do sufoco, o povo é o criativo,

Guerreiro, lutador, não tem nada a perder,
Se não fizer isso, não terá o que comer,
Invade, surrupia, que mais poderia ser,
Poder apostar, isso não da prazer,

Tem sempre um político, de boa intenção,
Ajuda, participa, ninguém repara não,
A mídia condena, manda pobre pra prisão,
O rico nesse meio, não muda a refeição,

Comercio, industria, não ajuda na sua dor,
Muda a CLT, prejudica o trabalhador,
Globaliza, sacrifica, faz do trabalho um terror,
O pai de família sabe do seu valor,

Ignorante, sem escola, nunca tem escolha,
Político safado fica na encolha,
Pobre tem atitude, mas não escreve numa folha,
Precisa trabalhar, mesmo que o pé faça bolha,

O Trabalhador
Político de verdade, já foi trabalhador,
Sabe da estima, do seu próprio valor,
Enfrenta de frente, não tem nem temor,
Trabalha pelo povo, somente em seu favor,

Se você é desse time, faça sua parte,
Se houver propina, dessa turma se descarte,
Político do bom sabe usar da arte,
Gente ruim nesse meio merece um enfarte,

Não peço desculpas, não sou obrigado,
Não sou nem um bobo, muito menos retardado,
Nesse mundo de poder, é melhor ser arriado,
A cortina de teatro, de político mal intencionado,

Como trabalhador, deve se candidatar,
Se quiser ser alguém, se quiser ganhar,
Em nome do povo, deve jurar,
Se não fizer isso, melhor se renunciar,

O trabalho, destino, todo ser humano,
Tem de ser valorizado, sem atos desumanos,
Nesse meio de gente, deve entrar pelo cano,
Bandido, corrupto, qualquer homem insano,

Cadê o político?
Venho por meio desta, perguntar cadê?
O povo brasileiro, procura por você,
Senhor do povo, não venha a TV,
No meio do povo é melhor aparecer,

A mídia engana, não use esse caminho,
Político verdadeiro faz direitinho,
Com honra, verdade, não quer ser bonitinho,
A família, o ser humano, um caminho certinho,

Povo unido trabalha pra valer,
Estuda, aprende, sabe o que fazer,
Se você é eleito, faça o que tem de ser,
Não se engane por dinheiro, não se deixe por poder,

Povo sem dinheiro, sem terra e sem teto,
Não tem culpa do errado, procura ser certo,
Não feche os caminhos, deixe ele aberto,
Os caminhos da política são sempre incertos,

Você precisa mostrar a sua cara,
Receber muitas idéias, mesmo a mais rara,
Com tudo isso em mãos vê se encara,
Comece uma luta e vê se não para,

Senhor político
Senhor político, acreditamos na verdade,
Mude nossas vidas, nossa realidade,
Esqueça a aparência, não pense em vaidade,
Faça desse povo a sua prioridade,

Pedimos sua ajuda, sua compreensão,
Invista o dinheiro, na população,
Moral, social, naquele pobretão,
Que trabalha sol a sol, que não pede nada não,

Pense no passado, presente e futuro,
Trabalhe de verdade, não de nem um furo,
Abra os caminhos, ilumine o escuro,
Não fique com medo se você ficar duro,

Envio a você, essa pequena mensagem,
Todo ser humano, só esta de passagem,
Intelectual, corajoso ou até o selvagem,
Dependemos um do outro, não importa a contagem,


Taxas e impostos
Lei para o povo, essa não existe,
Pra pagar imposto, isto se insiste,
Dinheiro, carnê, você ainda assiste,
O buraco no asfalto, de reclamar você desiste,

Se você viajar, separe o dinheiro,
Pague o pedágio, não é de maloqueiro,
Adeus dinheirinho, não fica nem o cheiro,
Ainda tem o guarda, que parece um porteiro,

Multa, humilha, e é uma pessoa,
Igual qualquer um, mas essa não é boa,
Preenche o talão, a raiva que soa,
O bom nessa hora era ser um à toa,

Trabalho não existe, só o desemprego,
Quem tem família, faz o seu apego,
Queria ser de fora, talvez até um grego,
Realmente a família, é um grande aconchego,

Alem de imposto, também tem a taxa,
Como uma múmia, a gente se encaixa,
Mesmo sem dinheiro, você se abaixa,
Tentar não pagar, mostrar uma faixa,
Mudem tudo isso, passem a borracha,

Briga de partido
Engraçado notar, a briga de partido,
Costura, ajeita, tem de estar unido,
Aparece nessa hora, aquele sumido,
Político de verdade, se sente traído,

Idéia, discussão, perde seu valor,
O que importa nessa hora, é ser o salvador,
Grita, da idéia, sobe o calor,
Concorrência é normal, mas perde seu sabor,

Puta que paril, vai se lascar,
Esse povão, em mim vai votar,
O nome, legenda, na tv e no ar,
Como pode o povo, nisso acreditar?

Um vai, outro vem, tem do sindicato,
Comercio, industria, a policia desacato,
As leis, a ordem, não mostram seu tato,
Bagunça nessa hora, com certeza é contrato,

O voto tem valor, mesmo do bandido,
Daquele perfumado, também do fedido,
Os gritos, porrada, se sentem ofendidos,
Mas é tudo teatro, coisa de metido,

Tudo isso
Bandido no Brasil é muito assediado,
Do outro lado da vida, o pobre coitado,
O bandido deveria, estar aprisionado,
Difícil acreditar num país de pau mandado,

O pobre como sempre, é o lado fraco,
Político só gasta, abre mais um buraco,
Rombo, mas divida, o país fica um caco,
Mandato acaba, eleição vira um saco,

Tiro, disparo, morre um policial,
Até o carcereiro, vira vitima fatal,
Se acontece com eles, não é nada normal,
O povo nesse meio é puro funeral,

Quem se preocupa, o que acontece com a nação,
Quem deveria fazer, se mete em corrupção,
Que povo que nada, não passa de povão,
Dinheiro, poder, é o que manda nesse mundão,

Quem pode ajuda, mas é muito pouco,
Ser do povão, só pode ser louco,
Briga, grita, fica até rouco,
Quem dá o dinheiro, quem recebe o troco?

Zé ninguém
Ser alguém é bom, é muito importante,
Político sabe disso, é participante,
Não o povo humilde, trata mal o ignorante,
Dentro de seu carro, se sente um possante,

Um voto, o mandato, por isso ele aceita,
Do povo que importa, isso se rejeita,
Dinheiro, poder, tudo se ajeita,
Cadê a plataforma? É sempre refeita,

Promete, não cumpre, lá vai outro mandato,
Eleito, reeleito, tem sempre no contrato,
Ganhar muito dinheiro, esse sempre o trato,
A coisa não muda, isso já é fato,

Mas nós acreditamos, no povo tem criança,
Símbolo de anjo, de muita esperança,
Nele o futuro, nunca uma vingança,
Quem acredita, um dia sempre alcança,

Você que é político, ta na realidade,
Às vezes é vitima, da própria maldade,
Responda com fé, diga na verdade?
Se não for o povo, qual a prioridade?

Desejo de futuro
Você que é político pense comigo,
Faça o que é certo, não o que digo,
Faça o povo ser alguém, faça seu amigo,
A razão do seu sucesso é o nosso abrigo,

Esqueça o dinheiro, faça com a razão,
O povo já sente, tem a emoção,
Passar necessidade, estar sempre durão,
Um dia foi você, faça pelo povão,

Acredite no futuro, não somos ninguém,
Com você no planalto, vamos ser alguém,
Não importa o que faça, no povo você tem,
Todo nosso apoio, não notas de cem,

O medo provoca, mas tem resultado,
O povo já sabe, por isso é marcado,
Pela dor, injustiça, tem o recado,
Trabalhe pela gente, não seja um mandado,

O dia, à noite, pode dar cansaço,
Não finja que trabalha, não seja palhaço,
Seja de fibra, seja como aço,
Forte, seguro, diga que faço,

Crime, violência, você terá poder,
Enfrentar tudo isso, terá que fazer,
O apoio do povo, com certeza vai ter,
Esta no seu intimo, o que poderá ser,

Não muda nada
Queremos um político, não um salvador,
Alguém pra trabalhar, a nosso favor,
Pode ser deputado, pode ser senador,
Um simples homem do povo, talvez vereador,
Nosso maior anseio, que seja trabalhador,

Nossa eleição, não tem nada consciente,
Briga, intriga, até o presidente,
Parece que esquece, que um dia foi gente,
Do povo, da vida, um inexperiente,
Aprendeu com o poder, aprendeu como se mente,

Nessa guerra do poder, o povo fica de lado,
A briga ferrenha para ser deputado,
Chinga, violenta, quem é o coitado?
O povo que assiste, ou o selecionado?
Uma coisa é certa, o povo é violentado,

Não vamos esquecer, que tudo é um trator,
Mente, fala mal, briga de opositor,
Um contra o outro, fazem isso com louvor,
A mídia, jornal, agora o computador,
Tudo é ferramenta, para ser governador,

Mas isso não é nada, a gente fica assistindo,
Tv, comercial, continuam mentindo,
Sempre a mesma coisa, continuam nos ferindo,
Engraçado admitir, ninguém esta caindo,
Só o povo que se lasca, estamos desistindo,

Não é normal, em nada acreditar,
O povo precisa, de alguém pra salvar,
Nossa vida, nosso meio, em qualquer lugar,
Só o poderoso é quem pode nos amar,
No meio da política, não há mais o que falar.

Bom político?


Povo unido não existe no Brasil,
Somos milhões, não chega a mil,
Mãe, irmão, vizinho ou o tio,
União não existe, somente um da piu,

Um não adianta, ninguém da ouvido,
No meio de um milhão, será só um sumido,
A voz, o grito, não sobra nem gemido,
Por isso que bin laden quer tudo explodido,

O cara ta errado, mas isso não importa,
A vida direita começa sempre torta,
No campo, o homem, água sua horta,
Todo planeta quer fechar essa porta,

Acabar com alimento, vender muita arma,
Para o ambicioso que não pensa com calma,
Entrega sua mãe, a pátria, até sua alma,
O povo quem diria, sempre se acalma,

Isso que revolta, um povo dizimado,
Porrada, violência, morte ao coitado,
Ninguém acredita, ta tudo errado,
Ainda se investe, muito em viciado,

O político é o cara, a bola da vez,
Mas ele não ajuda, provoca embriaguez,
Raiva, ira, nem um entre três,
Gente boa de verdade, esta em escassez,

Na próxima eleição, nada vai mudar,
O povo acredita, mas demora a acertar,
A mídia, e-mail, vai demonstrar,
O poder, corrupção, vai continuar,

Mesmo assim sou homem, preciso dar um jeito,
Olhar para o céu e bater no peito,
A força, coragem, vamos fazer direito,
Mostrar para o poder, que Deus é trato feito.

Politica 2006
Vai começar, tudo de novo,
Político falar, enganar o povo,
Discurso, promessa, ninguém joga ovo,
O cara é eleito, recomeça o roubo,

Povo humilde e sempre ignorante,
Político investe, ainda garante,
Promessa, vou fazer, daqui em diante,
Mas nada vai mudar, parece uma constante,

Um abraço, um beijo, no colo a criança,
Demonstra futuro, demonstra esperança,
Povo acredita, não há desconfiança,
Mesmo o bom político, paga a fiança,

Céu ou inferno, quem vai viver,
O povo como sempre, vai sobreviver,
Acompanhar o partido, nem o eleito vão ver,
Que porra de planeta, a política do poder,

Lá fora é igual, também no Brasil,
Mesmo com guerra, mesmo com fuzil,
O povo que morre, mesmo o viril,
Esse mundo cão parece um canil,

Tem o safado e o bem intencionado,
Nesse meio seu futuro é sempre jogado,
Para segundo plano, viramos coitados,
Dinheiro, poder, é tudo ajeitado,

Quem é o cara, quem é o salvador,
O povo já sabe, o nosso senhor,
Político tem dinheiro, tudo a seu favor,
Mas o sol é pra todos, pelo menos o calor,

Nobre político, preste atenção,
Se ficar nervoso, ta na corrupção,
Eu te desafio, não uso a nação,
Mostre sua cara, ajude o povão,
Se não quiser isso, vá embora meu irmão,




Comente.






(aguarde que é demorado mesmo...)


Você merece.

Assine nosso conteúdo e receba novidades sem sair de casa!

Atualizado com o Movable Type.

Alguns direitos reservados por Frederick van Amstel.

Apresentação do autor | Consultoria | Portifólio | Política de Privacidade | Contato